Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

CFM baixa preços de transporte do granito

Empresários do sector das rochas ornamentais e o Caminho-de-ferro de Moçâmedes (CFM) chegaram hoje (quarta-feira) a acordo, para que a empresa pública ferroviária transporte o granito para o Porto do Namibe, depois de baixar as tarifas de AKz 7,5 a tonelada por quilómetro, para 6,5 kwanzas.

O acordo surge três anos depois do começo das discussões, como resultado da pressão que os governos do Namibe e da Huíla exerceram nos últimos oito anos para que se proibisse o transporte do granito, mármore e de combustíveis pela via rodoviária, por ser a responsável pela degradação acelerada da Estrada Nacional Nº280.

Em declarações à Angop, o administrador financeiro do CFM, António Conceição, disse que a empresa baixou o preço da transportação de AKZ 7,5 a tonelada por quilómetro, para AKz 6,5, ao longo dos 253 Km de linha entre o Lubango e Namibe.

Assim, por cada bloco de granito, enquanto nos camiões os operadores pagam 90 mil kwanzas, o comboio está a fazê-lo por AKZ 41 mil, reduzindos os custos de transportação na ordem de 30%.

Disse que o CFM aumentou a frequência do comboio de carga de duas para cinco viagens semanais, com vista a dar resposta à demanda, assim como melhorar as condições técnicas e operacionais da empresa que tonaram viável o cumprimento desse novo desafio.

“Estamos a trabalhar com quatro das oito empresas que operam neste segmento e elas admitem que conseguem obter um ganho de 30% em custos de transportação desde que optaram pelo CFM”, disse a fonte.

Ao todo, segundo o administrador, os comboios do CFM transportam por semana cem blocos de granito, uma média de 500 toneladas/dia.

Por outro lado, fez saber que o CFM está a transportar mais cem mil passageiros por mês, no percurso de 900 Km entre Namibe, Lubango e Menongue, além do comboio urbano do Lubango e no ramal Dongo – Tchamutete, no município da Jamba.

“Em 2012 tinha sido paralisado o transporte de pessoas na rota Lubango – Namibe, porque não era rentável, mas retomamos no primeiro trimestre deste ano e as coisas mudaram de figurino”, referiu.

A produção de rochas ornamentais na Huíla em 2017 cifrou-se em 36 mil e 168 metros cúbicos, representando 103 mil e 298 toneladas.

Dessa quantidade, 34 mil e 334 metros cúbicos foram exportados através do Porto do Namibe para Portugal, Espanha, Alemanha, Itália, China e Índia, gerando receitas de cinco milhões, 726 mil e 717 dólares, contra os sete milhões, 922 mil e 443 dólares de 2016.

A reabilitação e modernização do CFM começou em 2006 e ficou concluída em 2014, tendo sido avaliada em um bilião e duzentos milhões de dólares, tendo contemplado a recuperação completa da linha, construção de 56 estações de primeira, segundas e terceiras classe. (Angop)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »