Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Consórcio da Galp dá mais um passo para produção e venda de gás natural em Moçambique

O consórcio que a Galp integra em Moçambique apresentou ao Governo daquele país um plano de desenvolvimento para produção, liquefação e venda de gás natural proveniente dos campos de Mamba, na denominada Área 4, foi anunciado esta segunda-feira.

Em comunicado, a Galp adianta tratar-se da primeira fase do projeto Rovuma LNG, que compreende duas unidades de liquefação com capacidade para produzir 7,6 milhões de toneladas por ano cada, e cuja decisão final de investimento é esperada em 2019 e início de produção em 2024.

O plano de desenvolvimento inclui a proposta de construção de instalações onshore, que compreenderão duas unidades de liquefação (trains) com capacidade para produzir 7,6 milhões de toneladas por ano (mtpa) cada.

“A apresentação do plano para a primeira fase do projeto Rovuma LNG reflete o compromisso do consórcio em continuar a desenvolver os recursos de elevada qualidade descobertos da Área 4, estimados em cerca de 85 tcf de gás ‘in place’, e após a tomada de decisão referente ao projeto FLNG Coral Sul em 2017”, refere a Galp.

Os parceiros da Galp no consórcio da Área 4 incluem a Mozambique Rovuma Venture S.p.A. (uma ‘joint venture’ entre a ExxonMobil, Eni e CNPC), a KOGAS e a moçambicana Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH).

A ExxonMobil irá liderar a construção e operação dos ‘trains onshore’ e instalações relacionadas, enquanto a Eni será o operador do upstream. O Rovuma LNG é apresentado como um projeto “de elevado relevo” na estratégia da Galp e que se enquadra na redução da intensidade carbónica do seu portefólio.

“A submissão deste plano de desenvolvimento é mais um passo relevante no desenvolvimento das descobertas em Moçambique que, devido à dimensão e qualidade dos recursos, é esperado que venha a desempenhar um papel fundamental na indústria do gás natural”, sustenta a empresa. (Observador)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »