Portal de Angola
Informação ao minuto

Governo britânico se reúne para decidir sua posição sobre o Brexit

Premeira-ministra britanica Theresa May durante uma reunião com representantes caribenhos em Londres, no dia 17 de abril de 2018 (afp)

A primeira-ministra britânica Theresa May reunirá nesta sexta-feira seus ministros em sua casa de campo de Chequers para chegar a um acordo de uma vez por todas sobre a futura relação do Reino Unido com a União Europeia.

Os ministros terão que entregar seus celulares na chegada a esta mansão de 65 km de Londres em direcção noroeste, relevou a imprensa britânica.

“O gabinete se reúne em Chequers hoje para acordar a futura relação com a União Europeia”, disse May em nota.

A reunião poderia ser tempestuosa e deixar ainda mais em evidência as divisões entre os partidários de manter uma estreita relação comercial com a UE e os partidários de um divórcio sem concessões, sob o olhar vigilante de Bruxelas, que exige uma posição clara do Reino Unido nove meses antes da saída.

Além disso, a impaciência começa a tomar os sócios europeus, que estão acelerando os preparativos em caso de que na data prevista da saída, Março de 2019, não haja acordo com o Reino Unido.

As empresas também estão contentes com uma falta de clareza que coloca em xeque os investimentos e os postos de trabalho.

O resultado da reunião poderia ter um grande impacto no futuro político de May, que dificilmente sobreviveria a uma grande rebelião nas filas conservadoras, diante de sua escassa maioria parlamentar.

– May busca meio do caminho –

Os ministros favoráveis à ruptura defenderão a chamada solução “de máxima facilitação”, que inclui o restabelecimento dos controles aduaneiros entre o Reino Unido e a UE, mas propõe depender de soluções tecnológicas – nunca vistas até agora – para manter a fluidez do comércio e evitar a congestão nas fronteiras e nos portos.

No grupo dos partidários da linha dura frente a Bruxelas estão o ministro de Relações Exteriores, Boris Johnson, o ministro do Brexit, David Davis, e o de Meio Ambiente, Michael Gove.

Do lado oposto, os ministros de Finanças, Philip Hammond, e da Indústria, Greg Clark, que querem uma solução “mais branda” que consistiria em uma nova e inédita associação aduaneira: o Reino Unido cobraria as tarifas de aduaneiras em nome da UE dos bens que transitem em seu território, mas tenham como destino o mercado europeu.

Theresa May e sua equipe de Downing Street desejam uma solução de compromisso.

– Reacção das empresas –

Antes desta reunião, a fabricante de automóveis Jaguar Land Rover (JLR) emitiu um alerta para May e seu governo.

Outras grandes empresas que fizeram o mesmo nas últimas semanas, como BMW, Airbus ou Siemens, a JLR alertou que seria forçada a reduzir seus investimentos no Reino Unido se o Brexit envolver o restabelecimento de controles alfandegários com a UE.

“Nós e nossos fornecedores enfrentamos um futuro imprevisível se as negociações do Brexit não conseguirem manter relações comerciais com a UE sem tarifas alfandegárias e sem obstáculos e com acesso ilimitado ao mercado único”, disse seu CEO Ralf Speth, em um comunicado divulgado na noite de quarta-feira.

Formada pela fusão de duas marcas históricas de carros britânicos, a Jaguar Land Rover pertence ao grupo indiano Tata Motors. (Afp)

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »