Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Trump se encontrará com a rainha Elizabeth apesar de coro de críticas

Rainha Elizabeth durante evento em Ascot, no Reino Unido 23/06/2018 REUTERS/Peter Nicholls (reuters)

Quando Donald Trump se encontrar com a rainha Elizabeth na semana que vem, se tornará o 12º presidente dos Estados Unidos que a monarca conhece em seus 66 anos no trono, um período recorde na história britânica.

Com excepção de Lyndon Johnson, Elizabeth conheceu todos os líderes norte-americanos desde Harry S. Truman, mas nenhum outro encontro com um presidente dos EUA provocou tanta oposição e polémica no Reino Unido quanto a visita de Trump.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, ofereceu a Trump uma visita de Estado –um evento repleto de pompa que normalmente inclui um passeio em carruagem aberta pelo centro de Londres e um banquete no Palácio de Buckingham– ao se tornar a primeira líder estrangeira a visitá-lo após sua posse em Janeiro de 2017.

Só dois outros presidentes norte-americanos –Barack Obama e George W. Bush– foram convidados para visitas de Estado completas. Trump terá uma menos sofisticada do que se propôs originalmente, mas se encontrará com Elizabeth, e muitos parlamentares britânico se opuseram até mesmo à sua viagem.

O decreto de Trump proibindo o ingresso de viajantes de vários países de maioria muçulmana nos EUA e seu reenvio de um tuíte publicado pela vice-líder do partido de extrema-direita Britain First, que depois disso foi presa por assédio religioso, causaram repúdio generalizado no país.

Mais recentemente, a separação de crianças imigrantes de seus pais na fronteira EUA-México ressuscitou os pedidos para que May cancelasse a visita de Trump.

“O presidente Trump prendeu mais de duas mil crianças em jaulas e está se recusando a libertá-las a menos que possa construir um muro”, disse May no mês passado o parlamentar Gavin Shuker, do Partido Trabalhista, de oposição.

“Ele saiu do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas; ele tem elogiado o tratamento de Kim Jong Un (líder da Coreia do Norte) ao seu próprio povo; e ele rejeitou muçulmanos. O que este homem tem que fazer para que o convite feito pela primeira-ministra seja revogado?”, questionou.

Depois que ele foi convidado no ano passado, mais de 1,86 milhão de pessoas assinaram uma petição dizendo que Trump não deveria ter direito a uma visita de Estado porque isso pode constranger a rainha. (Reuters)
por Michael Holden

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »