- Publicidade-
InicioMundoÁfricaRefugiados. Nenhum país do Norte de África aceita “plataformas de desembarque” previstas...

Refugiados. Nenhum país do Norte de África aceita “plataformas de desembarque” previstas no acordo da UE

Nenhum dos países do Norte de África com fronteira com o Mediterrâneo está disposto a ceder espaço para as “plataformas regionais de desembarque” previstas no acordo assinado entre os 28 países na União Europeia (UE) na cimeira Conselho Europeu, esta sexta-feira.

As “plataformas regionais de desembarque” serviriam como centros estabelecidos fora da União Europeia onde seriam selecionados, entre os migrantes que atravessam o Mediterrâneo, aqueles que se adequam ao estatuto de refugiados e quais serão classificados como migrantes económicos.

No entanto, apesar de esta medida ter sido acertada na cimeira do Conselho Europeu, sabe-se agora que não há nenhum país do Norte de África disponível para acolher estes centros — sendo que alguns avançaram essa posição antes da cimeira e outros já depois de o acordo ter sido divulgado.

Em declarações ao jornal alemão Welt, o presidente da Câmara dos Representantes do Egito, Ali Abdel Aal, disse que “os centros de receção para migrantes no Egito violariam as leis e a Constituição” daquele país. Além disso, acrescentou aquele político, que é um dos co-autores da Constituição egípcia, aquele país já tem “cerca de 10 milhões de refugiados da Síria, Irauqe, Iémen, Palestina, Sudão, Somália e outros países”.

Estas declarações vieram então juntar-se à de Marrocos, Tunísia, Argélia e Líbia, que já tinham rejeitado estas plataformas. Dentro da Europa, mas fora da União Europeia, também a Albânia rejeitou essa possibilidade.

Esta sexta-feira, Petra Bendel, investigadora do Expert Council of German Foundations for Integration and Migration, referiu que a proposta de criar plataformas fora da UE para reagir à crise dos refugiados é pouco clara. “O conceito destas plataformas regionais de desembarque continua a ser completamente confuso”, disse. Além disso, referiu que esta solução referida no acordo oferece mais dúvidas do que respostas.

“Onde é que os barcos vão desembarcar? Em que países é que elas vão estar e, entre estes, quais é são países-terceiros seguros? Vão ser recebidos antes, durante ou depois da viagem? E estas plataformas vão servir para redistribuir ou para processar pedidos de asilo? Se for esse o caso, quem é que trata do processamento? E no caso de conseguirem asilo, para onde vão as pessoas? Suécia ou Hungria? E no caso de serem rejeitados, vão voltar mesmo para os seus países de origem? E se não voltarem, o que é que lhes acontece e o que é que isso quer dizer para o país anfitrião?”, questionou a investigadora alemã especialista em políticas migratórias. (Observador)

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.