Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Rio acusa Governo de “aldrabice política”

O presidente do PSD defendeu, esta terça-feira, que a função do seu partido não é “empurrar o Governo para a irresponsabilidade”, mas denunciar que o executivo “não fala verdade” e que “o discurso do milagre económico é uma aldrabice política”.

No encerramento das jornadas parlamentares do PSD, na Guarda, Rui Rio fez um balanço das principais linhas de oposição do partido, desde que assumiu a liderança em fevereiro.

“Um aspeto é demonstrar que o discurso do milagre económico é uma aldrabice política”, afirmou Rio, recolhendo o primeiro aplauso generalizado da sala, que o tinha recebido em silêncio quando entrou para a sessão de encerramento.

O presidente do PSD apontou como dois exemplos de que o Governo “não fala verdade” aos portugueses a não descida do imposto sobre os combustíveis quando o preço das matérias-primas subiu, e o da polémica sobre contagem do tempo integral dos professores, onde reiterou que o executivo prometeu o que “sabia de antemão que não podia cumprir”.

“A posição do PSD hoje em 2018, ou do PSD ao longo de toda a sua história desde 74 é: a função do PSD é empurrar o Governo para a irresponsabilidade? Não, isso é função do PCP e do BE. Nós não temos essa função, mas temos outra, que é a de obrigar o Governo a falar verdade às pessoas”, disse.

Rui Rio foi ainda mais claro, numa aparente referência à questão do tempo integral da carreira dos professores.

“A nossa função não é empurrar o Governo para a irresponsabilidade e populismo de dar aquilo que não pode dar”, frisou.

Na passagem da sua intervenção de cerca de 40 minutos mais aplaudida pelo grupo parlamentar, Rui Rio acusou o Governo de ter andado “à boleia” do trabalho do anterior executivo PSD/CDS-PP e da conjuntura internacional nos dois primeiros anos da governação, com bons resultados económicos.

“Eles não fizeram rigorosamente nada por isso. Mais dia menos dia ficava a nu que o discurso não fazia sentido”, afirmou, estimando que hoje “70 a 80% dos portugueses já perceberam a aldrabice política do milagre económico, que não é nenhum”.

Perante os deputados, Rui Rio apresentou a sua receita do que deve ser a oposição ao Governo, que considerou não ficar diminuída por ser “colaborante com o que são políticas estruturais”.

“Devemos ser acutilantes nas críticas e nas falhas ao Governo tal como temos feito, e sérios, rigorosos e competentes no que são as nossas propostas”, apontou.

Rui Rio salientou que esta foi a receita que aplicou quando exerceu cargos na vida pública e que, “até à data, deu sempre resultado”.

“Na boa tradição marítima portuguesa, fi-lo sempre contra ventos e mares”, afirmou no final da sua intervenção, em que foi aplaudido de pé pelos deputados sociais-democratas.

Além da denúncia da “aldrabice” do milagre económico, Rio apontou outros três pontos em que o PSD se destacou nos últimos meses na oposição ao Governo, começando pelas objeções que levantou à entrada da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa no capital do Montepio, que ainda não se concretizou.

“Poderia dizer que o PSD ganhou, mas foi o país que ganhou”, defendeu.

O pedido de audição parlamentar do ex-ministro Manuel Pinho para esclarecer se recebia ou não verbas do Grupo Espírito enquanto era ex-ministro e o desafio para que sejam revelados quais os principais responsáveis pelas imparidades da Caixa Geral de Depósitos foram os outros destaques de oposição apontados por Rio.

Neste âmbito, o presidente do PSD afirmou que o grupo parlamentar irá novamente pedir o acesso à auditoria independente à gestão da Caixa, que foi aprovada há dois ano pelo Conselho de Ministros. (Jornal de Notícias)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Translate »