Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

EUA acusados de drogar crianças em centros de detenção

As crianças migrantes separadas da família na fronteira com o México estão a ser obrigadas a tomar, de forma rotineira, drogas psicotrópicas nos centros de abrigo norte-americanos. A denúncia já deu entrada num tribunal de Los Angeles, por intermédio de um grupo de defesa dos direitos humanos, que acusa os EUA de violarem a lei, ao administrar drogas a menores sem indicação clínica e sem o consentimento dos pais.

O ACORDO FLORES QUE TRUMP QUIS RASGAR
O acordo extrajudicial “Flores” foi firmado em 1997 para regular as condições dos centros de acolhimento nos EUA e combater os abusos na detenção de migrantes, em especial das crianças desacompanhadas. Desde então, a lei proíbe o governo federal de manter crianças em centros de detenção por mais de 20 dias, mesmo que acompanhadas pelos pais. Nos anteriores governos norte-americanos, as famílias eram libertadas ou deportadas assim que esse prazo era ultrapassado.

“ESTÁ NUM CENTRO DE DETENÇÃO DE MENORES? ENTÃO ESTÁ DROGADO!”
A frase perentória é do advogado Carlos Holguin que representa o Centro de Direitos Humanos e direito constitucional, sediado em Los Angeles, que a 16 de abril deu entrada num tribunal de Los Angeles uma ação judicial contra a administração dos EUA por violação do Acordo Flores.

A administração de drogas psicotrópicas a crianças e jovens migrantes é recorrente e está documentada em casos anteriores como no Centro Residencial de Tratamento de Shiloh, na localidade de Manvel, no estado do Texas.

A ação em tribunal cita vários testemunhos de crianças que terão sido forçadas a tomar grandes doses de medicamentos, sem indicação médica e sem o consentimento dos pais, o que viola a lei.

O problema passa, sobretudo, porque não há acesso aos registos médicos das crianças e jovens detidos nestes centros.

O CASO DE SHILOH E OS ABUSOS DO PASSADO
Entre os vários casos de abusos cometidos contra menores e migrantes em centros temporários nos EUA há um que se destaca pela negativa: o Centro Residencial de Tratamento de Shiloh, no Texas, já documentado em tribunal.

Uma das testemunhas identificadas por Julio Z garante que chegaram ao cúmulo de o deitarem ao chão para o imobilizar e obrigaram a tomar a medicação. Julio Z atestou ainda que, sempre que as crianças recusavam tomar as drogas, as seguranças do centro chegaram a forçar os menores a abrir a boca para inserir o medicamento. E sempre que tentava reafirmar a recusa em tomar as drogas, o médico responsável ignorava-o.

“SE RECUSÁSSEMOS, DEITAVAM-NOS AO CHÃO PARA LEVAR INJEÇÕES”
Rosa L, uma outra testemunha no processo em tribunal, garante que chegou a ser deitada ao chão por vários seguranças do centro, agarrada pelos braços e pernas e forçada a engolir a medicação pela enfermeira.

O tema tem gerado polémica nos EUA com vários casos recentes de abusos físicos e até sexuais de crianças em centros de detenção no país. A morte de pelo menos três menores nos últimos tempos obrigou as autoridades norte-americanas a rever as regras de detenção.

OS EFEITOS SECUNDÁRIOS ADVERSOS
As autoridades alegam problemas mentais, psicológicos e traumas para medicar estas crianças e jovens retidos nos centros de detenção temporária dos EUA, mas não dá acesso aos registos médicos dos menores.

A única forma de documentar os alegados abusos é, por isso, através de testemunhas arroladas ao processo e que falam em efeitos adversos severos, em alguns casos.

Julio Z. garante que ganhou mais de 20 quilos em cerca de dois meses. A mãe de uma outra jovem detida numa destes centros confessou em tribunal que a dose administrada era tão grande que a filha já não conseguia andar e muitas vezes colapsava.

A FACA DE DOIS GUMES: DENUNCIAR ABUSOS PODE POR EM CAUSA AJUDA ÀS CRIANÇAS
A questão levanta outras pontas soltas: desde logo a ajuda que está a ser prestada a estas crianças migrantes, separadas das famílias apenas por terem passado a fronteira.

Só nos últimos quatro anos pelo menos três crianças morreram em centros como este, sem razão aparente. Os abusos estão documentados em tribunal e incluem abusos físicos, mentais e até sexuais em centros que receberam mais de mil milhões de euros de financiamento.

Os grupos de defesa dos direitos humanos admitem, por isso, a encruzilhada: a par do dever moral e criminal de denunciar os abusos, combater as irregularidades e defender os menores e as famílias migrantes a abordagem pode comprometer o funcionamento destes centros e por em risco a única ajuda que estas pessoas têm em solo norte-americano. (RTP)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Translate »