Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

É Hoje! Concerto Gala Drop

Para celebrar as festividades do Dia da Europa e do Ano do Património Europeu, a Delegação da União Europeia em Angola vai realizar em Luanda uma noite de música ao vivo com o melhor da música alternativa europeia com raízes africanas.

O concerto com produção da MOVART terá a participação da Banda Gala Drop e dos Produtores e Dj’s da editora Príncipe Discos Dj Marfox, Nídia e Dj Maboku e será realizado na Sexta-Feira 8 de Junho de 2018, as 18H:30 no espaço JADE Rooftop.

ENTRADA SÓ POR CONVITE
Passe na MOV´ART Gallery a recolher o seu convite entre as 10:00 e as 18:00 horas.

Gala Drop
Um dos projectos mais vanguardistas e empolgantes que nasceram na Europa na última década. A banda inspira-se em sons e vibrações de diferentes lugares e épocas, produzindo uma música cósmica e psicadélica recheada de electrónica, pop, dub, krautrock, batidas africanas e gospel. Os Gala Drop são uma aventura musical incansável e em constante desenvolvimento – um caso de paixão pela matéria que trabalham – que tenta pelo poder da imaginação transformada em música transmitir-nos esperança num presente colectivo melhor.

Dj Marfox
Produtor e DJ, Marfox é, sem dúvida, o estandarte da Príncipe e o irmão mais velho de todos. Marfox já tocou ao vivo nos últimos anos na Europa e no Reino Unido, nos EUA, em Moscovo, Brasil, Tóquio, Osaka, Seul e Xangai. Agora é a vez de Luanda, onde ele vem quase que em peregrinação.

Dj Maboku
Nome verdadeiro Waldemar dos Santos Almeida, nasceu em Angola mas mudou-se para Portugal aos 6 anos. Integrou a equipa do PDDG (Piquenos DJs do Guetto), formada por volta de 2006, e fundou depois a produtora CDM (Casa da Mãe), antes da sua estreia na Príncipe no final de 2013. Maboku é presença regular na festa mensal ‘Noite Príncipe’ no clube Musicbox em Lisboa.

Nídia
Nídia é a femme fatale da crew. Ela mesma se define como “má e fúdida” no seu último disco, aclamado internacionalmente no circuito underground. Nídia, não pára, “já não me lembro de todos os sítios onde toquei”, diz a partir de Bordéus, em França, onde vive. Temos a certeza de que de Luanda sim se vai lembrar, e muito!

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »