InicioMundoÁfricaMinistro italiano vai à Líbia discutir os imigrantes no Mediterrâneo

Ministro italiano vai à Líbia discutir os imigrantes no Mediterrâneo

O ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, viajou hoje até à capital da Líbia para discutir com as autoridades líbias a questão dos 300 imigrantes que esperam há dias, no mar Mediterrâneo, um país que lhes permita desembarcar.

De acordo com a imprensa italiana, Salvini irá reunir-se com o primeiro-ministro líbio, Fayez Al Sarraj. Espera-se que realizem uma conferência de imprensa durante a tarde de hoje.

O governante italiano, líder da extrema direita, agradeceu no domingo às autoridades e à guarda costeira da Líbia por ter “salvado e devolvido à Líbia 820 imigrantes, tornando inútil o trabalho dos traficantes e evitando as incorretas intervenções dos barcos das ONGs [organizações não governamentais]”.

Entretanto, o barco da ONG alemã `Lifeline´ encontra-se há quatro dias no mar Mediterrâneo, perto de Malta, com cerca de 230 imigrantes a bordo, incluindo quatro crianças, à espera de um país que lhe permita atracar.

Outros 113 imigrantes aguardam também instruções no navio dinamarquês Alexander Maersk, em águas territoriais italianas perto de Pozzallo, na ilha da Sicília.

“A situação está a tornar-se preocupante”, considerou o porta-voz da ‘Lifeline’, Axel Steier, já que o barco “leva o triplo da capacidade” e a “comida é cada vez mais escassa”.

“Se os líderes europeus não encontrarem uma solução, terão que ser os cidadãos a proteger estas pessoas”, apelou.

No domingo, a ONG convidou cordialmente Matteo Salvini a ir a bordo do ‘Lifeline’ verificar que foi “mesmo seres humanos que se salvaram do naufrágio”.

“Nós não trazemos carne a bordo, apenas seres humanos”, declarou a ONG alemã, numa mensagem dirigida ao governante italiano. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.