InicioDestaquesEurodeputada Ana Gomes quer que Banco de Portugal reveja avaliação de idoneidade...

Eurodeputada Ana Gomes quer que Banco de Portugal reveja avaliação de idoneidade de Isabel dos Santos

A eurodeputada Ana Gomes dirigiu uma carta ao Banco de Portugal a questionar se a instituição tenciona renovar a avaliação de idoneidade da empresária angolana Isabel dos Santos para ser detentora de participações em instituições financeiras em Portugal.

Em declarações à Lusa, em Bruxelas, a deputada do PS ao Parlamento Europeu indicou que dirigiu na terça-feira cartas ao BdP, com conhecimento para as autoridades bancárias europeias, relativamente à avaliação de idoneidade de Isabel dos Santos e também do empresário angolano Carlos Silva, lembrando que a primeira, filha do antigo Presidente angolano José Eduardo dos Santos, é uma das principais accionistas do EuroBic, e o segundo é presidente do Conselho de Administração do Banco Privado Europa.

“Eu estou a fazer perguntas óbvias que nem devia ser preciso eu perguntar, e que só pergunto porque aparentemente o Banco de Portugal não quer ser ele próprio a ser confrontado com essas questões. Mas tem que ser confrontado, porque o BdP tem tremendas responsabilidades”, disse à Lusa, acrescentando que, depois do caso do Banco Espírito Santo (BES), “não é admissível que mais uma vez o BdP continue a fechar os olhos”.

No caso concreto de Isabel dos Santos, a eurodeputada apontou que, na carta dirigida ao governador e aos administradores do Banco de Portugal questiona justamente se vai ser renovada “a avaliação de idoneidade que precisa dar à senhora dona Isabel dos Santos para lhe permitir ser accionista qualificada de bancos em Portugal, sobretudo tendo em atenção declarações que prestou recentemente num tribunal em Paris (…) em que ela afirmou que as contas não eram o seu forte”, disse.

Em causa está o depoimento de Isabel dos Santos num contencioso arbitral em Paris, “onde respondeu de forma evasiva e demonstradora de falta de conhecimento e competências de administração no que respeita à gestão da Unitel, empresa angolana de telecomunicações”.

A eurodeputada lembrou que já defendera, em 2016, que a ex-gestora da petrolífera angolana Sonangol não tinha idoneidade para ser accionista qualificada em instituições financeiras portuguesas, de acordo com o disposto nas leis europeias, tendo feito diligências para apurar “se os mecanismos de verificação da origem dos fundos investidos e património de Isabel dos Santos tinham sido accionados na aquisição, por parte da empresária angolana, de participações sociais em bancos portugueses e outras empresas de grande dimensão”.

“Isto tem que ser travado e, portanto, se o Banco de Portugal não faz o trabalho de recolha das informações e avaliação das informações, então eu faço por ele”, disse, lamentando que durante anos a instituição já tenha “atirado para baixo do tapete” aquilo que já sabia sobre o BES e que custou muito dinheiro aos contribuintes portugueses.

Para Ana Gomes, esta “é, de resto, uma questão que também interessa em particular ao Governo português, porque trata-se de garantir a integridade do sistema financeiro nacional”.

“Não podemos continuar a ser a lavandaria de cleptocratas, sejam angolanos, da Guiné-Equatorial, do Brasil ou de onde quer que seja”, concluiu. (Novo Jornal Online)

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.