Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Tribunal da Indonésia condenou à morte alegado líder do Daesh no país

Um tribunal da Indonésia condenou hoje a pena de morte o alegado líder do grupo extremista Estado Islâmico na Indonésia, Aman Abdurrahman, acusado de ordenar ataques a partir da prisão, incluindo um atentado suicida em 2016.

A leitura da sentença, em Jacarta, foi acompanhada com uma forte presença policial, e aconteceu num clima de tensão, após vários ataques reivindicados pelo grupo extremista no último mês.

Abdurrahman, que se recusou a reconhecer a autoridade do tribunal, por ser secular e não reconhecer a lei Sharia (leis fundadas na religião e baseadas nas escrituras sagradas), ajoelhou-se e beijou o chão enquanto os cinco juízes anunciavam a sentença.

Este tribunal considerou verdadeira a acusação da Procuradoria Geral, que denunciou o religioso como o principal tradutor indonésio da propaganda do Estado Islâmico e líder da Jemaah Anshourut Haulah, uma rede de quase duas dezenas de grupos extremistas, formados em 2015.

Entre os ataques ordenados por Aman Abdurrahman, destaca-se um atentado suicida na capital do país, Jacarta, em janeiro de 2016, que resultou na morte de quatro civis e quatro atacantes.

De acordo com a Procuradoria-Geral, o religioso, através da sua sela na prisão,”conseguiu espalhar o radicalismo e comunicar com os seus partidários através de visitas e videochamadas”.

Atentados suicidas, em maio, em Surabaya, a segunda maior cidade da Indonésia, mataram 26 pessoas, incluindo 13 agressores. Duas famílias realizaram os ataques, em que participaram crianças de sete anos.

Estes ataques, a três igrejas cristãs, são os mais mortíferos na Indonésia desde os atentados de 2005 em Bali, nos quais morreram 20 pessoas e mais de 100 ficaram feridas.

Abdurrahman foi condenado à prisão em 2004, depois de uma bomba que explodiu prematuramente numa casa em Java Ocidental, e novamente em 2011 por ter contribuído na construção de um campo de treino jihadista numa área montanhosa da província de Aceh. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Translate »