Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Guterres alerta para ameaça crescente à capital da República Centro-Africana

A situação na República Centro-Africana (RCA) continua a degradar-se, reconheceu o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, no relatório quadrimestral sobre este país, que apresentou ao Conselho de Segurança, datado de segunda-feira.

Guterres apresentou uma situação de confrontos armados e violência contra civis, em várias partes do país, bem como ataques ao pessoal humanitário e aos capacetes azuis que integram a missão da ONU no país, a Minusca, que conta com 159 militares portugueses.

“Particularmente preocupante é a posição de crescente ameaça à capital (Bangui) por parte de alguns grupos armados”, especificou. Uma “retórica sectária” e “incendiária”, a “exploração de diferenças religiosas” e “a manipulação da população” têm contribuído para um “aumento da violência intercomunitária”, bem como para “a hostilidade para com a Minusca e outros atores internacionais”.

No seu relatório, Guterres admitiu que está “aterrado” com o facto de, “cinco anos depois do início da crise na República Centro-Africana, a violência intercomunitária continuar a ter um forte impacto nos civis em todo o país”.

De forma detalhada, Guterres apontou: “O caráter de vingança das matanças, complementadas com a destruição e a queima sistemáticas de símbolos religiosos, como mesquitas e igrejas, é profundamente perturbador”.

Neste mesmo registo, acrescentou que “perturbador é também a feroz disputa de recursos por parte de grupos armados, a violência criminosa e a manipulação de identidades religiosas e étnicas por motivos de ganhos políticos ou oportunísticos, o que está a alimentar a violência”.

O secretário-geral da ONU faz mesmo o alerta: “O aumento da violência em Bangui é particularmente preocupante, tal como a posição de crescente ameaça à capital por parte de alguns grupos armados, o que alimenta rumores e a insegurança”. (Observador)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »