Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Trump critica política migratória de Merkel e diz que não vai seguir o exemplo europeu

Presidente dos EUA afirma que “o crime disparou na Alemanha”, apesar de os números de Berlim indicarem o contrário. E volta a responsabilizar os democratas pela separação de famílias na fronteira com o México.

O Presidente norte-americano Donald Trump lançou esta segunda-feira, através do Twitter, um ataque à política migratória alemã, relacionando a entrada de imigrantes no país com uma suposta subida da criminalidade que os números, na verdade, desmentem.

“O povo alemão está a virar-se contra a sua liderança numa altura em que a migração está a abalar uma coligação já de si frágil em Berlim. O crime disparou na Alemanha. Um erro grave repetido em toda a Europa ao permitir a entrada a milhões de pessoas que mudaram a sua cultura de forma tão forte e tão violenta!”, escreveu na rede social.

Segundo dados do Ministério do Interior alemão divulgados em Maio, o número de crimes registado no país é actualmente o mais baixo desde 1992. Os números relativos a 2017 mostram ainda uma descida de 5% face ao ano anterior.

“Não queremos que o que está a acontecer na Europa aconteça a nós!”, escreveu Trump de seguida.

A chanceler alemã Angela Merkel está em confronto aberto com a aliada bávara CSU (União Social Cristã), tendo rejeitado os planos do seu ministro do Interior, Horst Seehofer, que quer reencaminhar de forma unilateral os imigrantes e requerentes de asilo que se tenham registado noutros países da União Europeia. Uma medida deste género seria um grande abalo para a política de portas abertas anunciada por Merkel em 2015, para além de pôr em causa o sistema das fronteiras abertas no espaço Schengen.

A CSU, o partido irmão da CDU liderado por Seehofer, enfrenta eleições na Baviera em Outubro e o receio de dar trunfos à extrema-direita da Alternativa para a Alemanha (AfD) tem levado o ministro a adoptar uma posição mais dura face à imigração. A crise pode levar Merkel a demitir Seehofer e até a contemplar a possibilidade de pôr fim à aliança conservadora de 70 anos entre as duas formações. Sem o apoio da CSU, a União Democrata Cristã (CDU) de Merkel e os sociais-democratas do SPD – que também apoiam o Governo de grande coligação – iriam deixar de ter uma maioria parlamentar.

Agora, a pressão sobre Merkel surge do outro lado do Atlântico, vinda dos EUA. O ataque de Trump decorreu numa série de mensagens sobre política migratória em que o Presidente republicano voltou a responsabilizar a oposição democrata pela crise na fronteira com o México, onde milhares de crianças estão a ser retiradas a famílias que tentam entrar nos EUA.

“Porque é que os democratas não nos dão os votos para concertarmos as piores leis de imigração do mundo?”, escreveu. “É culpa do democratas, por serem fracos e ineficazes com a segurança fronteiriça e o crime. Digam-lhes que é altura de começar a pensar nas pessoas atingidas pelo crime resultante da imigração ilegal. Mudem as leis!”

As críticas à política de “tolerância zero” face à imigração ilegal têm também surgido do campo republicano, incluindo da própria primeira-dama, Melania Trump, que pôs termo a um silêncio público de várias semanas para, sem se referir directamente ao Presidente, apelar ao um governo “com o coração”. (Publico)

com Reuters

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »