Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Tribunal do Paquistão impede Musharraf de participar nas eleições

O Tribunal Supremo do Paquistão impediu que Pervez Musharraf, ex-presidente do país, participe nas eleições gerais de 25 de julho, ao revogar a autorização temporária que lhe permitia concorrer, disse hoje o seu advogado.

“Musharraf não pode participar nas eleições”, disse Qamar Afzal, advogado de Musharraf à agência EFE.

Afzal explicou que o presidente do Tribunal, Saqib Nisar, retirou a autorização temporária concedida a Musharraf para se apresentar enquanto candidato, por ele não ter regressado ao país para comparecer em frente do Tribunal como lhe tinha sido ordenado.

A decisão de Nisar foi feita depois de Musharraf ter recorrido da decisão imposta pelo Tribunal Superior de Peshawar (noroeste) de o proibir de voltar a exercer um cargo público em 2013.

Musharraf, que exerceu o poder durante quase uma década na sequência de um golpe de Estado em 1999, está a ser julgado por ter suspendido a ordem constitucional e decretado a detenção de dezenas de juízes em 2007.

O recurso de Musharraf encontra-se agora paralisado até que o ex-militar se volte a apresentar em tribunal.

O advogado indicou que o seu cliente não regressou ao país como ordenado devido ao “curto prazo” que lhe foi apresentado, e afirmou que Musharraf não regressará agora que não pode participar nas eleições.

O ex-presidente deixou o poder e exilou-se em 2008, regressando ao país em 2013 de forma voluntária para retomar a carreira política nas eleições gerais, mas a Justiça impediu a participação e o ex-presidente acabou por ser detido.

Musharraf saiu do Paquistão a 18 de março de 2016 para receber tratamento médico no Dubai, prometendo regressar ” quatro a seis semanas” depois ao país, afirmando que voltaria para enfrentar as acusações feitas em tribunal, entre elas um caso de alta traição e por ter conspirado no assassinato da primeira-ministra, Benazir Bhuto, morta num atentado suicida em 2007. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »