Portal de Angola
Informação ao minuto

Encontro em Singapura entre Kim e Trump, uma cimeira atómica

(Afp)

Após sete décadas de antagonismo, a desconfiança irá pairar sobre a cúpula entre Donald Trump e Kim Jong Un, e o peso da história incidirá nas discussões sobre o arsenal nuclear norte-coreano e o quão longe Pyongyang está disposto a ir para satisfazer as demandas americanas.

A busca por uma solução viável que satisfaça ambas as partes implicará superar várias brechas potencialmente perigosas.

– Que tipos de armas a Coreia do Norte tem? –

Os grupos que acompanham o tema de perto estimam a potência do sexto e último teste nuclear feito em Setembro em 250 quilotons, ou seja, 16 vezes mais forte do que a bomba americana que destruiu Hiroshima em 1945.

Segundo o livro branco de Defesa de Seul, o relatório mais recente publicado, a Coreia do Norte tem 50 quilos de plutónio armazenados, estimados como suficientes para 10 bombas, e uma capacidade “considerável” para produzir armas de urânio.

Em 2017, o jornal Washington Post citou uma informação da Inteligência americana que dizia que a Coreia do Norte tem cerca de 60 dispositivos nucleares.

O país tem experiência em construir túneis e acredita-se que estejam guardados em depósitos subterrâneos espalhados pelo território.

A Coreia do Norte ainda tem que mostrar de forma definitiva que tem capacidade de colocar uma ogiva nuclear em um míssil para apontar de forma precisa e para que o projéctil efectue com sucesso o retorno à Terra da atmosfera.

Além do arsenal nuclear, acredita-se que a Coreia do Norte tenha entre 2.500 e 5.000 toneladas de armas químicas desenvolvidas a partir da década de 1980, segundo informação militar da Coreia do Sul.

– O que os Estados Unidos possuem? –

Segundo o Departamento de Estado, em 1º de Setembro os Estados Unidos tinha um total de 1.393 ogivas nucleares mobilizadas que podem ser lançadas por terra, mar e ar.

Também afirmam possuir mais milhares em depósitos e outras aguardando para serem desmanteladas, afirmam activistas. A Associação para o Controle de Armas estimou o total em 6.550 em 2017.

Os Estados Unidos retiraram as armas nucleares que tinham na Coreia do Sul na década de 1990 e Seul não tem um arsenal próprio.

Mas os EUA podem atingir qualquer posição com armas convencionais, ou com munições nucleares.

– O que Pyongyang prometeu? –

O secretário de Estado, Mike Pompeo, funcionário de mais alto escalão a se reunir com Kim Jong Un, disse que o líder norte-coreano lhe informou pessoalmente que Pyongyang está pronto para se desnuclearizar.

Trump tem sido inequívoco na afirmação de que “não se desnuclearizar seria algo inaceitável”.

A Coreia do Norte tem reiterado o seu compromisso com a desnuclearização da península, mas esta afirmação é um eufemismo diplomático que está aberto a interpretações em ambos os sentidos, e Pyongyang não deu indícios públicos de que concessões poderia fazer.

Segundo Seul, o país ofereceu a possibilidade de renunciar a suas armas nucleares em troca de garantias de segurança não especificadas.

Em uma visita à China em Março, a imprensa oficial chinesa indicou que Kim teria dito que o assunto pode ser resolvido se Seul e Washington adoptarem “medidas progressivas e sincronizadas para a realização da paz”.

– Isto implica em que? –

Pyongyang diz que precisa das armas nucleares para se defender dos Estados Unidos e interpreta as ameaças de forma ampliada.

Segundo o tratado de defesa mútua de 1953 entre Coreia do Sul e Estados Unidos, Washington tem o dever de ajudar seu aliado se este for atacado.

No passado, Pyongyang pediu o fim desta aliança e que os EUA retirem suas tropas do Sul.

Os Estados Unidos contam com 28.500 militares no país e o arsenal nuclear de Washington é uma peça-chave de suas capacidades de defesa mesmo com a política de “não utilização em um primeiro momento”. (Afp)

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »