Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Oficiais de Justiça convocam greve para segunda-feira

O Sindicato dos Oficiais de Justiça de Angola (SOJA) declarou esta sexta-feira, em Luanda, que vai avançar com uma greve de cinco dias, no sector da Justiça, a partir de segunda-feira (28), em todo país, após sucessivos adiamentos para negociações.

Ao falar à imprensa, Antónia Canganda, tesoureira do SOJA, reconheceu que as “negociações decorrem bem”, mas “não houve consenso” porque as propostas e promessas do ministro da Justiça não constam num memorando escrito, celebrado entre as partes.

À margem do XIII Conselho Consultivo terminado hoje, sexta-feira, Antónia Canganda reafirmou que a posição do Sindicato dos Oficiais da Justiça de Angola vai manter-se, assim como as negociações que “são frutíferas”.

“Não temos como desmobilizar a grave. Quando assinarmos o memorando estaremos capacitados para desmobilizar”, vincou a sindicalista.

Já o ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Francisco Queiroz, considera tal posição “pouco sensata”, pois o SOJA não está disponível para reunião nem hoje (sexta-feira), nem sábado e nem domingo, quer “apenas” na segunda-feira, já em clima de greve.

“Se estão as negociações e soluções encontradas e reafirmamos a nossa disposição em resolver a situação e constam das recomendações, não vejo necessidades da greve”, enfatizou Francisco Queiroz.

O Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos prometeu efectuar promoção da carreira de mais de dois mil para os mais de cinco mil oficiais de justiça controlados, porém, o SOJA discorda com tal posição e mantêm o “finca-pé”.

Com a efectivação da grave estarão parados, em todos país, a emissão de cédulas de nascimento e Bilhetes de Identidade (BI), julgamentos nos tribunais, casamentos nas conservatórias de registo civil e outros procedimentos.

O Sindicato de Oficiais de Justiça de Angola (SOJA) foi criado em 2014 e reivindica, entre outros direitos, as progressões de categorias, sendo este o ponto mais alto, além das condições de trabalho e outras que constam do caderno reivindicativo. (Angop)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »