Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Oficiais de Justiça convocam greve para segunda-feira

O Sindicato dos Oficiais de Justiça de Angola (SOJA) declarou esta sexta-feira, em Luanda, que vai avançar com uma greve de cinco dias, no sector da Justiça, a partir de segunda-feira (28), em todo país, após sucessivos adiamentos para negociações.

Ao falar à imprensa, Antónia Canganda, tesoureira do SOJA, reconheceu que as “negociações decorrem bem”, mas “não houve consenso” porque as propostas e promessas do ministro da Justiça não constam num memorando escrito, celebrado entre as partes.

À margem do XIII Conselho Consultivo terminado hoje, sexta-feira, Antónia Canganda reafirmou que a posição do Sindicato dos Oficiais da Justiça de Angola vai manter-se, assim como as negociações que “são frutíferas”.

“Não temos como desmobilizar a grave. Quando assinarmos o memorando estaremos capacitados para desmobilizar”, vincou a sindicalista.

Já o ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Francisco Queiroz, considera tal posição “pouco sensata”, pois o SOJA não está disponível para reunião nem hoje (sexta-feira), nem sábado e nem domingo, quer “apenas” na segunda-feira, já em clima de greve.

“Se estão as negociações e soluções encontradas e reafirmamos a nossa disposição em resolver a situação e constam das recomendações, não vejo necessidades da greve”, enfatizou Francisco Queiroz.

O Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos prometeu efectuar promoção da carreira de mais de dois mil para os mais de cinco mil oficiais de justiça controlados, porém, o SOJA discorda com tal posição e mantêm o “finca-pé”.

Com a efectivação da grave estarão parados, em todos país, a emissão de cédulas de nascimento e Bilhetes de Identidade (BI), julgamentos nos tribunais, casamentos nas conservatórias de registo civil e outros procedimentos.

O Sindicato de Oficiais de Justiça de Angola (SOJA) foi criado em 2014 e reivindica, entre outros direitos, as progressões de categorias, sendo este o ponto mais alto, além das condições de trabalho e outras que constam do caderno reivindicativo. (Angop)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »