Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

CENCO contra uma eventual recandidatura de Joseph Kabila

A Conferencia Episcopal do Congo (CENCO) condenou quinta-feira, em Kinshasa, a plebiscitarão de uma eventual candidatura a eleição presidencial de Joseph Kabila que a Maioria presidencial está a levar a cabo.

Falando a imprensa, o secretário-geral da CENCO, Donatien Nsole, alertou que aquele tipo de prática pode causar convulsões no país.

«Os bispos não podem apoiar esse tipo de iniciativa, afasta-nos do acordo, e são práticas que correm o risco de incitar a manifestações e criar distúrbios, alertou o eclesiásta.

Para o prelado, a CENCO não comunga com a série de declarações que são feitas por alguns animadores da Maioria presidencial que evocam a possibilidade de um outro mandato para o actual Presidente da República, desprezando a Constituição e o Acordo de 31 de Dezembro de 2016.

Vários dísticos com a esfinge de Joseph Kabila sestão espalhados nas grandes cidades congolesas, com as palavras “apoie à candidatura de Joseph Kabila à proxima eleição presidencial”.

A Constituição da República Democrática do Congo estipula que o Presidente da República eleito é reeleito apenas uma vez.

O segundo mandato do Presidente Kabila terminou a 20 de Dezembro de 2016, mas o mesmo a dirigir o país por força de um acórdão do Tribunal Constitucional, que reviu o artigo e 70 alínea 2 nos seguintes moldes: “em virtude do princípio da continuidade do Estado, o Presidente da República continua em função até a instalação efectiva do novo presidente eleito”.

Embora isso, qualquer iniciativa da Maioria Presidencial visando a revisão da Constituição vai-se esbarrar com o artigo 220 da Carta magna congolesa.

Segundo aquele artigo, «a forma republicana do Estado; o princípio do sufrágio universal; a forma representativa do governo; o número e a duração dos mandatos do Presidente da República, a independência do poder judicial e o pluralismo político e sindical, não podem ser objecto de qualquer revisão constitucional.

Dito doutra maneira, qualquer revisão do artigo acima, pode levar a convulsões políticas na Republica Democrática do Congo. (Angop)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »