Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Pelo menos 40 ex-guerrilheiros assassinados na Colômbia desde 2016

O Presidente colombiano afirmou que foram assassinados 40 membros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) desde a assinatura do acordo de paz, em novembro de 2016, entre o Governo e a antiga guerrilha.

“Até ao momento foram assassinados 40 membros das FARC”, reconheceu Juan Manuel Santos, durante a apresentação do relatório “Garantias de segurança, um ano de implementação”, na Universidade Jorge Tadeo Lozano, na terça-feira, em Bogotá.

Durante a apresentação do relatório, que contou com o apoio de organizações internacionais como a Missão de Verificação da ONU, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos e a Organização de Estados Americanos, o Presidente colombiano declarou que a existência de apenas “um [assassínio] já seria demais”.

Juan Manuel Santos garantiu que o Governo colombiano vai trabalhar até ao final do mandato, a 07 de agosto próximo, para que “não ocorram mais casos”.

O governante referiu ainda que “as vidas dos ex-combatentes foram protegidas a 100%”, através de um sistema que garantiu a segurança de “mais de 200 membros da primeira linha da liderança” das ex-FARC e de mais de quatro mil ex-guerrilheiros, que foram postos, para sua segurança, em espaços territoriais de capacitação e reintegração. “Conseguimos ter um sistema que criou confiança entre a força pública e os ex-combatentes”, concluiu.

Em 2016, Juan Manuel Santos assinou um acordo histórico com a antiga maior guerrilha do país. No acordo assinado, que valeu nesse ano o Nobel da Paz a Juan Manuel Santos, as ex-FARC comprometeram-se ao desarmamento e ainda à transformação num partido político. As FARC foram então dissolvidas e convertidas num partido político, a Força Alternativa Revolucionária Comum, com a mesma sigla.

O Presidente colombiano já se mostrou recetivo a concluir um acordo semelhante com a guerrilha do Exército de Libertação Nacional (ELN) para pôr fim a um conflito armado que, em meio século, fez pelo menos 260 mil mortos, mais de 60 mil desaparecidos e cerca de 7,4 milhões de pessoas deslocadas. O diálogo entre o Governo colombiano e o ELN para as negociações de paz foi retomado este mês.

Estas negociações estavam suspensas desde 10 de janeiro passado, um dia após o fim do cessar-fogo bilateral devido a uma ofensiva do ELN, que causou seis mortos e 40 feridos no norte da Colômbia e afetou as infraestruturas petrolíferas de várias regiões. (Observador)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »