Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

União Africana pede à CEDEAO mais informações sobre 19 guineenses sancionados

A União Africana pediu à Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) mais informações e detalhes sobre as sanções impostas, em fevereiro, a 19 personalidades da Guiné-Bissau por incumprimento do Acordo de Conacri.

No comunicado final, divulgado hoje na sua página oficial na Internet, referente à 760.ª reunião do Conselho de Paz e Segurança da União Africana para analisar a situação na Guiné-Bissau, realizada a 29 de março, a organização “insta a comissão da CEDEAO a fornecer mais detalhes sobre as medidas de sanções que tomou, incluindo, em particular dados pessoais das pessoas que foram sancionadas”.

O Conselho de Paz e Segurança da União Africana, que já endossou as sanções, pede também à CEDEAO para “coordenar regularmente os seus esforços com a comissão da União Africana, a fim de facilitar a implementação das sanções por todos os Estados-membros”.

A União Africana solicita à “CEDEAO que desenvolva um mecanismo para assegurar que as sanções impostas funcionam eficazmente e que o Acordo de Conacri seja totalmente implementado”.

O documento divulgado pela CEDEAO sobre as sanções, apenas inclui o nome das 19 pessoas sancionadas, sem referir o cargo que ocupam e outros detalhes e informações pessoais.

No comunicado, o Conselho de Paz e Segurança volta a expressar “profunda preocupação com o persistente impasse político na Guiné-Bissau”, salientando que está a afetar “negativamente a situação socioeconómica do país”.

“O Conselho salienta que o Acordo de Conacri, assinado a 14 de outubro de 2016, continua a ser o principal quadro para a resolução pacífica da crise política e apela aos intervenientes para que cumpram os seus compromissos e assegurem a plena implementação do Roteiro de Bissau e do Acordo de Conacri”, salienta.

O Conselho de Paz e Segurança da ONU pede também, no comunicado, para que as autoridades guineenses “respeitem a Constituição no que diz respeito às próximas eleições legislativas de 2018, bem como as eleições presidenciais para 2019” e ao chefe de Estado guineense, José Mário Vaz, para promover o “diálogo inclusivo e genuíno”.

O Conselho de Paz e Segurança solicitou à comissão da União Africana para enviar uma missão de “avaliação técnica eleitoral à Guiné-Bissau para avaliar as condições e a preparação das próximas eleições legislativas”. (Diário de Notícias)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »