Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Temer: “O que mais prejudica o Brasil” é desviar-se da Constituição

Estas declarações surgem na sequência de comentários proferidos no Twitter pelo comandante do Exército brasileiro, que disse repudiar “a impunidade” referindo-se à análise do habeas corpus de Lula da Silva

O presidente do Brasil, Michel Temer, defendeu esta quarta-feira que “o que mais prejudica” o país é “desviar-se das determinações constitucionais”, um dia após comentários de caráter político do comandante do Exército que causaram grande polémica.

“Quando as pessoas começam a desviar-se das determinações jurídicas, constitucionais, quando pensam que podem criar o direito a partir da sua mente, e não a partir daquilo que está escrito, seja literal ou sistematicamente, a sociedade começa a desorganizar-se”, disse Temer, num ato oficial em Brasília.

“Acredito que o que dá estabilidade ao país é o cumprimento rigoroso daquilo que a soberania popular produziu ao criar o Estado brasileiro. Portanto, toda a vez que eu pratico um gesto governamental, tenho em mente o norte que a Constituição Federal me dá”, salientou.

Michel Temer emitiu estes comentários durante uma cerimónia no palácio do Planalto – sede do Governo -, na qual aprovou uma lei que flexibiliza o horário de um programa radiofónico, num momento em que o país vive uma intensa polémica devido a mensagens publicadas na rede social Twitter pelo responsável máximo do Exército, o general Eduardo Villas-Boas.

O comandante do Exército, que tem sob a sua responsabilidade a operação militar em curso no Estado do Rio de Janeiro, disse na terça-feira, na sua conta oficial, repudiar “a impunidade”, poucas horas antes de o Supremo Tribunal analisar se concede ou não ao ex-Presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva um habeas corpus preventivo que poderá evitar a sua prisão, depois de ter sido condenado a uma pena de 12 anos e um mês por corrupção.

A sessão na instância judicial máxima do Brasil começou hoje pelas 16:00 locais (20:00 de Lisboa), prevendo-se que se prolongue durante algumas horas, mas, antes do seu início, pelo menos três generais do Exército brasileiro expressaram o seu apoio aos comentários de Villas-Boas.

Em contraste, a Amnistia Internacional rejeitou hoje, em comunicado, essas polémicas declarações do militar, classificando-as como “uma grave afronta à independência dos poderes, ao devido processo legal, e uma ameaça ao Estado democrático de direito que representa um desvio do papel das Forças Armadas no Brasil”. (Diário de Notícias)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »