Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Objetivos dos ataques na Síria foram alcançados?

Quais os objetivos dos ataques da coligação formada por Estados Unidos, França e Reino Unido contra a Síria? Foram alcançados? Poderiam levar a um confronto com a Rússia?

Falámos com o brigadeiro-general, reformado, Dominique Trinquand, ex-assessor de defesa do presidente francês, Emmanuel Macron, durante a campanha presidencial do ano passado.

Dominique Trinquand: O objetivo era destruir a capacidade do governo de Bachar al-Assad de usar armas químicas na Síria. Três alvos foram atingidos: um armazém, um laboratório onde foram produzidas armas químicas e o centro de comando que provavelmente dava ordens (para o uso armas químicas). Então, toda a cadeia foi atingida. Se é assim, é um verdadeiro sucesso – o objetivo era exatamente esse, para impedir o uso de armas químicas na Síria.

Euronews: Mas isso não vai enraivecer a Rússia e conduzir a um grande confronto?

Dominique Trinquand: Não, a Rússia não está interessada. A Rússia permitiu a Assad reaparecer na Síria como um vencedor, o que não era o caso quatro anos atrás. Desta vez o futuro da Síria será feito graças à Rússia, Irão, e Turquia, em particular. Por outro lado, a escalada levaria a guerra a outros lugares para além da Síria. O presidente Putin não tem interesse nessa escalada. Todas as medidas foram tomadas para evitar essa escalada. Taticamente, os russos foram avisados ​​de forma a não serem atingidos. A discussão entre o presidente Macron e o presidente Putin, ontem, foi para deixar claro que precisávamos regressar à mesa de negociações. Por isso, agora, o futuro da Síria será inevitavelmente decidido em torno de atores externos que se encontraram em Astana ou Ancara recentemente, Rússia, Turquia e Irão, mas, é óbvio, com a participação da Síria. E agora, esperamos, com os ocidentais, que têm o seu papel a desempenhar, especialmente na reconstrução da Síria. (Euronews)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »