Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

O emprego não corre perigo; seu salário sim

Relatório conclui que a automatização não reduz o número total de postos de trabalho, mas sim os salários.

Os robôs, os supercomputadores e os algoritmos vão acabar com o trabalho? Estamos prestes a entrar em um mundo pós-industrial em que o emprego será algo raro a que somente um grupo de privilegiados terá acesso? Essas perguntas são cada vez mais comuns pela revolução tecnológica que ameaça substituir as pessoas por máquinas. Mas, ao contrário da bem estendida ideia de que a era do emprego está chegando ao final, um estudo recente conclui que a automatização não reduz o número de postos de trabalho. Pelo contrário, ajuda a aumentá-los. O problema é que a crescente tecnicização também contribui à depauperação da classe média.

No artigo com o sugestivo título de Robocalypse Now. A maior produtividade é uma ameaça ao emprego?, David Autor, do Instituto Tecnológico de Massachusetts (o famoso MIT) e Anna Salomons, da Universidade de Utrecht, analisam o que aconteceu em 19 países nos últimos 35 anos. Ainda que o texto só se refira ao passado, os autores acreditam que suas conclusões são válidas também ao futuro imediato.

“Não há nenhuma razão que nos faça pensar que essa tendência irá mudar nos próximos anos. A nova revolução tecnológica não impedirá a criação de novos empregos. E continuará colocando a desigualdade como um dos grandes desafios da sociedade”, afirma Salomons, uma das autoras, de Boston em uma conversa pelo Skype.

A professora responsável pela matéria de Emprego e Desigualdade na Universidade de Utrecht acredita que uma das principais descobertas de seu trabalho é desmontar o mito de uma sociedade com desemprego maciço, um temor que lhe parece “infundado”. “Isso é algo que muitos economistas já intuíam, mas nós demonstramos com dados”, diz.

O especialista de Oxford Carl Frey vê no empobrecimento da classe média o maior risco atual

Os autores não negam o forte impacto do progresso no emprego e admitem que os aumentos de produtividade fruto dos avanços tecnológicos ajudam a destruir empregos em determinados setores: basicamente, aqueles que são diretamente afetados pela automatização. Mas, ainda que nessas indústrias ocorram perdas líquidas de trabalhos, as poupanças econômicas causadas pela maior produtividade facilitam a criação de postos em outros setores. Essa recolocação, entretanto, costuma ser com salários mais baixos.

Assim, os autores calculam que se em 1970 as rendas de trabalho significavam 66,2% do bolo dos rendimentos totais; em 2007 essa porcentagem diminuiu a 62,7%. O processo de perda de riqueza dos trabalhadores continua em ritmo acelerado e se agravou a partir deste século.

A técnica destrói postos em certos setores, mas ajuda a criá-los em outros

Esteban Moro, professor de Matemática na Universidade Carlos III de Madri e no MediaLab do MIT, diferencia a tecnicização das últimas décadas, protagonizada pelos robôs, com a atual segunda onda de automatização, baseada em algoritmos e inteligência artificial. “Essa revolução é muitíssimo mais rápida. E não tem por que ter os mesmos efeitos sobre o emprego e os salários que a anterior. O risco é que as mudanças sejam de tal velocidade que não dê tempo ao mercado de trabalho de adaptar-se para formar trabalhadores com as capacidades necessárias”, explica.

Mas o que dá todos os indícios de continuar é o que Moro define como “esvaziamento das classes medias”, um processo de polarização em que uma grande maioria de trabalhadores se vê presa a salários cada vez mais baixos; e uma minoria de mão de obra superespecializada com habilidades adaptadas aos novos tempos que almeja uma porção crescente das rendas.

O pesquisador espanhol faz parte do grupo criado pelo MIT para analisar o futuro do trabalho, onde especialistas de diversos âmbitos estudam o efeito que a última revolução tecnológica terá em aspectos como os movimentos migratórios entre regiões com indústrias em declínio – áreas eminentemente rurais e com indústrias tradicionais – e florescentes cidades como San Francisco, com oferta de trabalho adaptada às novas necessidades.
Duas linhas de pensamento

Nos últimos anos surgiram duas linhas de pensamento entre os pesquisadores em tecnologia e emprego. Os primeiros defendem a chegada de uma espécie de Armagedon trabalhista, uma sociedade que será incapaz de empregar uma enorme camada da população. Daí surgem iniciativas como a renda básica universal, a ideia de que, já que a maioria das pessoas estará desempregada, o Estado deve assegurar-se de que tenham o necessário para levar uma vida digna. E a necessidade de que os novos instrumentos da mecanização incorporem parte das cargas que dificultam a contração de pessoas, com medidas como os impostos aos robôs.

A segunda ideia-força é a de que é impossível prever o que acontecerá no futuro, mas assim como os caixas automáticos não acabaram com as agências bancárias; os avanços tecnológicos farão com que alguns empregos desapareçam e reduzam-se ao mínimo, mas serão criados outros que agora é impossível sequer imaginar. E o saldo final pode até ser positivo. É desse lado do debate que está o trabalho dos professores Autor e Salomons.

Carl Benedikt Frey, codiretor do Programa de Tecnologia e Emprego da Martin School de Oxford e uma das pessoas que mais conhecem sobre esse assunto no mundo, também opta pela segunda opção. “O principal risco da tecnicização não é o desemprego maciço e sim o empobrecimento das classes médias, tendência que já começou há tempos e que pode continuar nos próximos anos”, conclui.
Os perdedores do grande salto tecnológico

Postos como os de ascensoristas e lavadores de carros desapareceram praticamente por completo da paisagem das cidades. Ao mesmo tempo em que esses se desvaneciam, surgiam outros que até pouco tempo ninguém imaginava. Assim, especialistas como Benedikt Frey, da Martin School de Oxford, acham que o processo voltará a se repetir mais uma vez na revolução que estamos vivendo.

“Apesar de não acreditar que ocorrerá um desemprego maciço a longo prazo, não há dúvidas de que alguns trabalhadores se viram prejudicados pelo avanço da tecnologia”, explica. Frey fixa-se especialmente nas cidades manufatureiras dos EUA que passaram por uma piora das condições sociais, com crescentes taxas de mortalidade entre homens adultos e dificuldades cada vez maiores à mobilidade social. “A maior preocupação agora são essas camadas da população que sofrem uma situação pior por culpa do progresso desses anos. São os perdedores da automatização”, afirma.

O espanhol Esteban Moro acha que o novo mundo dos algoritmos prejudicará principalmente as profissões baseadas em tarefas repetitivas que as máquinas podem fazer quase imediatamente. Mas também poderão resolver trabalhos cada vez mais complicados como traduções, leituras de textos jurídicos e de imagens médicas. “A grande pergunta é o que acontecerá com as habilidades que os humanos aprenderam após investir muito tempo e esforço”, afirma o professor do MediaLab do MIT. (ElPais)

por Luis Doncel

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Translate »