Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

MPLA apela ao patriotismo dos professores em greve durante três semanas

O Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), partido no poder em Angola desde 1975, apelou hoje ao patriotismo dos professores, em greve durante três semanas, e exortou o Governo a encontrar um consenso com os docentes.

A posição consta do comunicado final da segunda reunião extraordinária do secretariado do bureau político do partido, que decorreu hoje, em Luanda, sob orientação de João Lourenço, vice-presidente do MPLA e chefe de Estado angolano, na ausência de José Eduardo dos Santos, que continua na liderança.

Na mesma declaração, enviada à Lusa, o secretariado do partido manifesta-se “preocupado face à greve de professores” do ensino geral, iniciada na segunda-feira, e que se prolonga até 27 de abril, tendo “exortado o executivo a envidar todos os esforços para que se encontrem consensos”.

Foi feito ainda o apelo “para que, da parte dos docentes, prevaleça uma atitude patriótica, em prol das crianças angolanas e do seu direito à educação e ensino”.

A posição surge depois de uma delegação do Sindicato Nacional dos Professores (Sinprof) ter reunido na terça-feira com o Ministério da Educação, mas que terminou sem consenso, mantendo-se a paralisação.

Esta paralisação, a terceira fase da greve convocada em 2017 pelo Sinprof, e suspensa há cerca de um ano para negociações com o Governo, está a levar ao fecho de várias escolas por todo o país e acontece numa fase de avaliações dos alunos do ensino geral.

Em causa, a motivar esta paralisação, segundo o Sinprof, está a falta de resposta do Governo ao caderno reivindicativo apresentado ao Ministério da Educação em 2013.

O presidente daquele sindicato, Guilherme Silva, referiu anteriormente que os professores pretendem com esta greve demonstrar a sua insatisfação pela não aprovação do novo Estatuto da Carreira Docente, bem como rejeitar a estratégia do Ministério da Educação, de priorizar o concurso público de admissão de novos professores em detrimento da atualização de categoria dos professores em serviço. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »