Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Irão promete responder à morte de sete iranianos em bombardeamentos na Síria

O Irão prometeu nesta terça-feira uma resposta à morte de sete de seus cidadãos em um bombardeamento na Síria, atribuído a Israel.

Vários meios de comunicação iranianos revisaram em alta uma avaliação anterior de quatro vítimas fatais no ataque de segunda-feira à base aérea T-4, na província síria de Homs.

“O ataque do regime sionista na Síria não ficará sem resposta”, disse Ali Akbar Velayati, assessor do guia supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, citado pela agência de notícias iraniana ISNA, em sua chegada a Damasco para se encontrar com o presidente sírio Bashar al-Assad.

O Irão é, junto com a Rússia, um dos principais aliados do regime de Damasco, e desempenhou um papel importante nas recentes vitórias das tropas do governo contra os rebeldes.

Teerão enviou à Síria milhares de combatentes “voluntários” procedentes do Irão e também do Afeganistão ou Paquistão, formados por “assessores militares” iranianos no país em guerra.

O ministro iraniano das Relações Exteriores, Mohamad Javad Zarif, atacou por sua vez o presidente americano Donald Trump, depois de a Casa Branca apontar a “responsabilidade” do Irão e da Rússia em um suposto ataque químico contra um reduto rebelde sírio.

O Irão “nunca deixou de condenar o uso de armas químicas [e já foi ele mesmo] vítima de seu uso por Saddam [Hussein] com o apoio dos Estados Unidos”, tuitou Zarifu, lembrando os ataques químicos sofridos por seu país na guerra contra o exército do falecido ditador iraquiano entre 1980 e 1988.

“As ameaças de [Trump] de repetir agressões impulsivas são reveladoras da política americana que ajuda os extremistas”, acrescentou Zarif.

Na segunda-feira, o presidente dos Estados Unidos prometeu uma resposta “forte” contra o regime de Damasco e seus aliados após o suposto ataque químico à cidade de Duma, perto de Damasco. (Afp)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »