Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Índia aprova aplicação de pena de morte para violadores de crianças

Índia faz alterações ao seu código penal, alargando a pena capital aos casos de violação de crianças com menos de 12 anos, após semanas de protestos por causa da tortura e morte de uma menina de oito anos.

O gabinete ministerial da Índia aprovou a introdução da pena mais pesada para violadores de crianças com menos de 12 anos. A pena de morte – que já era aplicada a casos de violações mas só se o agressor fosse reincidente ou se resultasse em incapacitação ou morte da vítima – é agora alargada a este tipo de crime.

É previsto também um agravamento das penas aplicadas a violadores de menores de 16 anos.

O decreto foi aprovado pelo gabinete do primeiro-ministro, Narendra Modi, e aguarda aprovação do presidente, podendo demorar cerca de seis meses para se tornar lei.

Esta alteração, explica a BBC, surge no seguimento da onda de protestos que se levantou com dois casos específicos: a violação, tortura e morte de uma menina de oito anos por um grupo de homens que a manteve sequestrada uma semana e a violação em grupo de uma adolescente, em duas ocasiões diferentes, que acabou na sua tentativa de suicídio por imolação.

Neste último caso, o tribunal indiano ordenou inclusive a detenção de um político, Kuldeep Singh Sengar, membro do parlamento de Uttar Pradesh. Estes agressores, embora o decreto ainda esteja a ser processado, podem já ser condenados ao abrigo da nova lei.

A Índia é um dos países, segundo a Aministia Internacional, que mais aplica a pena capital, por um número variado de crimes, mas entre eles não estava a violação de crianças.

Os casos de violações na Índia são, porém, recorrentes, tendo sido registados cerca de 19 mil casos em 2016. O governo e autoridades são acusados de não tomar medidas adequadas e, até, de defender os agressores, menorizando os crimes contra mulheres. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »