Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Há sinais de degenerescência da figura do PM cabo-verdiano – José Maria Neves

O ex-primeiro-ministro cabo-verdiano José Maria Neves considerou hoje “bastante incaracterística” a situação política em Cabo Verde, com um Governo sem norte, a crescente ingerência do chefe de Estado e uma quase ausência da oposição.

“Estamos a ter alguns sinais preocupantes que levam a uma degenerescência da figura do primeiro-ministro no sistema de Governo. Há um espaço muito pantanoso e incaracterístico nas relações entre o Governo e o Presidente da República. Há cada vez mais uma interferência do Presidente da República na governação do país”, defendeu José Maria Neves em entrevista à agência Lusa a propósito do primeiro aniversário da Fundação com o seu nome.

Naquela que é a sua primeira grande entrevista depois de ter deixado a liderança do Governo do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), em abril de 2016, José Maria Neves assinalou que se “percebe claramente um recuo” do primeiro-ministro Ulisses Correia e Silva, perante “um avanço” do Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, e o protagonismo do vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia.

Como exemplo, apontou o protagonismo de Jorge Carlos Fonseca na liderança das delegações às cimeiras da Comunidade de Estados da África Ocidental (CEDEAO), considerando que a recente derrota da candidatura de Cabo Verde à presidência da organização é tanto do Governo como do Presidente.

“O árbitro não pode correr o risco de estar a perder jogos. O árbitro tem de arbitrar o jogo. Há uma cada vez maior ingerência nos assuntos do Governo. Cada vez menos árbitro e cada vez mais parte do jogo a favor do Governo”, disse.

Relativamente à prestação do executivo do Movimento para a Democracia (MpD), que sucedeu aos 15 anos dos seus governos, José Maria Neves, que não foi candidato à reeleição, considerou que, dois anos depois da entrada em funções, continua sem norte.

“Está à procura do norte e falta-lhe uma bússola. Entre a campanha eleitoral e a assunção do Governo terão perdido os instrumentos de navegação. Não se trata de navegação à vista, nem no alto mar, trata-se de navegação à deriva”, disse.

Reconheceu um maior crescimento atual da economia quando comparado com a última legislatura do seu governo, que considerou ter sido penalizado pela crise internacional, mas reclama parte dos louros da retoma económica.

“Quando este Governo assume já há uma retoma da economia tanto no último trimestre de 2015 como no primeiro de 2016, e não há [atualmente] um crescimento muito superior ao ritmo de crescimento iniciado nessa altura. Houvesse outras medidas macroeconómicas hoje e a economia estaria a crescer a um nível mais elevado tendo em conta as condições que este Governo herdou”, disse.

José Maria Neves lamentou que estejam a ser “desaproveitados” alguns dos seus projetos emblemáticos como as barragens, o programa de habitação social “Casa para todos” ou as políticas paras o setor do agronegócio.

Considerou, por outro lado, que as medidas anunciadas por este Governo já estavam tomadas e com instituições a funcionar.

“Muda-se o nome das instituições, faz-se um conjunto de discursos e de jogos sem que se vá ao essencial das questões”, afirmou.

Para José Maria Neves, com o Governo a completar dois anos de mandato este é o momento de mudar a tónica da discussão.

“Neste momento, o debate não pode ser a comparação deste Governo com o passado. Temos de começar a discutir as políticas deste Governo – e ainda não há nada de novo para discutir -, e as políticas deste Governo com o futuro”, frisou.

Questionado sobre o papel da Oposição e do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), liderado por Janira Hoppfer Almada desde 2014, o ex-presidente do partido afirma não estar a fazer militância ativa e desconhecer as propostas para “o momento político que se está a viver”.

Ainda assim, não esconde a “angústia” e “frustração” pela forma como está a ser feito o debate político em Cabo Verde

“O jogo político está bastante incaracterístico em Cabo Verde e em alguns momentos estranha-me a ausência do maior partido da oposição no debate ou na chamada de atenção em relação a algumas questões políticas importantes do país”, disse.

Rejeitou, no entanto, qualquer hipótese de vir a protagonizar uma candidatura à liderança partidária.

Depois de quase dois anos em silêncio, pontuado por algumas intervenções através da sua página pessoal na rede social Facebook, José Maria Neves diz ter tido oportunidade de refletir sobre os seus 15 anos de governação.

“Dezoito anos depois é muito fácil dizer em 2001 faria diferente. Claro, com as informações e os dados que tenho hoje. Se voltasse ao governo hoje há muitas coisas que faria diferente, mas infelizmente no governo não há ensaio e depois representação, vamos ensaiado e realizando simultaneamente e vão-se fazendo coisas boas e outras menos boas”, disse. (O Jogo)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »