Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Medicamento à base de canábis aguarda aprovação nos Estados Unidos e Europa

O uso de um medicamento derivado da canábis para o tratamento de formas raras de epilepsia foi recomendado por um painel de peritos da autoridade do medicamento norte-americana (Food and Drug Administration) na passada semana. Se a FDA seguir a recomendação, como se espera que o faça, será o primeiro medicamento à base de canábis a ser vendido nos Estados Unidos, noticia o jornal The New York Times.

A companhia britânica GW Pharmaceuticals, produtora do medicamento — Epidiolex —, também já aguarda aprovação de entrada no mercado europeu. A resposta da Agência Europeia do Medicamento poderá chegar no início do próximo ano. Na Europa, ao contrário dos Estados Unidos, já existe um medicamento derivado da canábis aprovado: o Sativex, da mesma empresa, indicado para o tratamento da rigidez muscular associada à esclerose múltipla.

O medicamento é uma formulação purificada de canabidiol (CBD), uma das moléculas encontradas na planta de canábis (Cannabis sativa). De todas as moléculas encontradas na planta, esta é a que está melhor estudada pelas suas propriedades terapêuticas. O que não exclui que outras moléculas possam ter características medicinais, apenas não estão estudadas.

O canabidiol não tem propriedades psicotrópicas como o tetrahidrocanabinol (THC), a molécula mais importante nos efeitos sentidos durante o uso recreativo da planta. Pela segurança e eficácia que tem demonstrado nos ensaios clínicos, o painel recomenda que seja usado para o tratamento de duas formas raras de epilepsia — síndrome de Lennox-Gastaut e síndrome de Dravet — que não respondem às terapêuticas convencionais contra a epilepsia.

O pedido de aprovação da GW Pharmaceuticals prevê que o medicamento possa ser usado a partir dos dois anos em combinação com os tratamentos já existentes. O medicamento conseguiu da FDA e da EMA a designação de medicamento orfão.

A síndrome de Lennox-Gastaut surge, normalmente, entre os três e os cinco anos e a síndrome de Dravet pode surgir durante o primeiro ano de vida. Sem conseguir controlar as convulsões com os medicamentos disponíveis no mercado, os doentes podem ter vários episódios epiléticos por dia, com o risco de quedas e lesões a eles associados. No caso da síndrome de Dravet, o risco de morte prematura é elevado. Nas crianças, as convulsões constantes e não controladas podem trazer problemas para o desenvolvimento intelectual, atrasos no desenvolvimento em geral e outros problemas de saúde.

Os efeitos secundários mais comuns descritos no ensaio clínico publicado na revista científica The Lancet foram diarreia, sonolência, estados febris, perda de apetite e vómitos. O tratamento também está descrito como potencialmente agressivo para o fígado, mas a situação pode ser controlada. (Observador)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »