Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Exercício vai testar resposta a ciberataques em Portugal

É o primeiro organizado, a nível nacional, pelo Centro Nacional de Cibersegurança, e vai testar, em maio, o “grau de preparação” de várias entidades públicas e privadas.

O exercício é o primeiro organizado, a nível nacional, pelo Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) e vai testar, em 09 e 10 de maio, o “grau de preparação” de várias entidades públicas e privadas a um ciberataque.

Em declarações à agência Lusa, o coordenador do CNCS, Pedro Veiga, afirmou que o Exercício Nacional de Cibersegurança (ExNCS) vai ter como alvo os setores da energia, transportes, banca, saúde e tratamento e distribuição de água.

O objetivo “é testar o grau de preparação das entidades que vão participar no tratamento de incidentes de cibersegurança”, explicou Pedro Veiga.

A história do exercício não é conhecida ao pormenor, mas o CNCS revelou à Lusa que se “pretende simular um cenário de ciberataques, realizados por ‘hacktivistas’, que têm como finalidade demonstrar a sua oposição pública a uma iniciativa política de cariz humanitário”.

Os ciberataques pretendem interromper ou causar problemas “no fornecimento de serviços em diversos setores essenciais nas diferentes entidades públicas e privadas envolvidas”, ainda de acordo com informação do centro.

Neste exercício, coordenado pelo CNCS, o centro nacional de resposta a incidentes de cibersegurança, vão estar representadas dezenas de entidades, públicas e privadas, e vai haver jogadores e observadores.

Os jogadores participam diretamente no exercício e “vão ser confrontados com uma simulação de ataques de cibersegurança – por exemplo receber mail infetados, um ataque de negação de serviço”.

Ao longo do tempo, os jogadores vão ser estimulados a responder a esse tipo incidente. Têm um tempo para discutir entre eles como reagir. E depois, vão atuar, tomando medidas, por exemplo telefonando a um operador de telecomunicações a pedir para cortar um circuito ou indo a um servidor e desliga-o, ou desligar as chamadas de telefone”, descreveu.

Os observadores fazem isso mesmo, observam, e o centro pretende que no próximo ano já participem como jogadores, “porque se aprende mais”.

De acordo com informações do CNCS, está confirmada a participação de mais de 30 entidades, entre elas o Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA), Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), Polícia Judiciária, TAP, Barraqueiro Transportes, Rede Elétrica Nacional (REN) ou a Comissão do Mercado dos Valores Imobiliários (CMVM), entre outros.

O Centro Nacional de Cibersegurança, criado pelo Governo em 2015, é, legalmente, a “autoridade nacional especialista em matéria de cibersegurança, junto das entidades públicas e das infraestruturas críticas” e tem por missão garantir que “o ciberespaço é utilizado como espaço de liberdade, segurança e justiça”. (Tvi24)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »