Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Manifestações em Angola revelam um país a duas velocidades, dizem analistas

Luanda mais permissiva, Malanje e Lunda Sul repressivas

A província de Luanda foi palco da repressão de apenas uma manifestação durante a gestão de João Lourenço, quando um grupo de estudantes tentou manifestar-se contra a falta do seu enquadramento nas escolas públicas.

Ao contrário do que acontece por exemplo em Malange e na Lunda Sul, esta maior tolerância na capital leva observadores a dizerem que o país anda a duas velocidades nesta matéria.

Após a manifestação contra a administração do Município do Cazenga um novo protesto está previsto para este sábado, 21, contra o administrador municipal de Viana, Jeremias Dumbo.

Nito Alves, um dos organizadores, diz que os cidadãos exigem “o fim das demolições ilegais, maior respeito pelas vendedoras ambulantes e denunciam supostos actos de corrupção praticados pelo administrador”.

Contactado pela VOA, Jeremias Dumbo preferiu não comentar o assunto.

A VOA sabe que está prevista para breve exoneração de vários administradores em Luanda, com vista a afinar as estratégiaspara as eleições autárquicas.

A capital angolana tem sido vista como a mais permissiva para a realização de manifestações de rua.

Luanda foi palco de repressão de manifestantes apenas uma vez, após a saída de José Eduardo dos Santos no poder,quando um grupo de estudantes exigiu o seu enquadramento nas escolas públicas.

“Temos um país a duas velocidades, sabemos que noutras províncias os governadores impedem a realização das manifestações”, comentou o analista Olivio Kilumbo.

Opinião semelhante tem o jornalista e investigador do Centro de Estudos Africanos da Universidade Católica de Angola, Cláudio Ramos Fortuna, que aponta o dedo aos governadores.

“Temos um país em que nas outras províncias os governadores são uma espécie de imperadores”, denunciou Fortuna, lembrando que o último relatório sobre a situação dos activistas em Angola “ainda é vergonhosa”. (Voa)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »