Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Isaías Samakuva acusa Governo de ter pagado dívidas de pessoas que foram ao BPC buscar dinheiro sem devolver

O presidente da UNITA, Isaías Samakuva, acusou hoje em Luanda o Governo de ter contraído uma dívida para o Estado de 3,1 mil milhões de dólares para pagar as dívidas daqueles que pediram empréstimos ao Banco de Poupança e Crédito (BPC) e não pagaram.

O Estado contraiu uma dívida de 3,1 mil milhões de dólares – 844 milhões só em Março último – para pagar as dívidas daqueles que pediam empréstimos ao BPC e não pagavam”, referiu Samakuva em conferência de imprensa.

Isaías Samakuva acrescentou ainda que Banco de Poupança e Crédito teve prejuízos de 20 mil milhões de Kwanzas mas não declarou falência porque o Estado interveio e injectou dinheiro público para o salvar, apesar de grande parte desse dinheiro ser resultado de empréstimos concedidos a pessoas que não pagaram.

“Nos últimos dois anos, no mesmo banco, o Estado injectou 568 mil milhões de Kwanzas”, disse, acrescentando que a última intervenção ocorreu agora, em Março de 2018, mas sem precisar o valor.

No que diz respeito às autarquias, Samakuva reiterou a realização a exigência das eleições autárquicas em todo país considerando ser “uma imposição constitucional, um dever e uma obrigação imposta ao Estado e não uma faculdade dos políticos”.

“Assim como em 1975, Angola proclamou a independência sobre a totalidade dos municípios ao mesmo tempo, as eleições autárquicas também devem ter lugar em todo o território nacional”, disse o presidente da UNITA, Isaías Samakva.

O líder do principal partido da oposição lembrou que o bloqueio à implementação das autarquias começou há muito tempo.

“Em 2010, aquando da aprovação da Constituição, a UNITA propôs que as autarquias fossem implementadas em 2012 mas disseram que não havia condições. Em 2011 diziam que seria 2014. Na verdade, o preço do petróleo estava alto e não queriam partilhar o dinheiro entre a administração central e poder local”, argumentou.

Para o presidente da UNITA, “agora pressionados por todos, admitem implementar as autarquias em 2020, mas não fazê-lo em todos os municípios ao mesmo tempo”.

O líder da UNITA denunciou que “a estratégia do partido no poder consiste em reforçar primeiro os poderes do MPLA em todos os municípios, através da administração local do Estado, e só depois proceder à descentralização político-administrativo em alguns deles”.

“Esta estratégia é subversiva e fraudulenta, porque as administrações municipais não são poder local e a Constituição confere aos órgãos autónomos, não estaduais, do poder local, e só a eles, a competência de gerir assuntos públicos locais”, justificou.

O presidente da UNITA advertiu que “os angolanos não devem aceitar a teoria do gradualismo territorial porque ela é apenas uma desculpa para o partido-estado continuar a centralizar a governação e delapidar o erário público”.

“Administração local não é poder local. A descentralização não precisa da desconcentração prévia. O tempo dos administradores nomeados, sem autonomia e sem dinheiro acabou. Somos nós os cidadãos, e não o Estado, que devemos administrar os assuntos públicos locais e eleger os nossos governantes municipais”, defendeu.

A árdua tarefa da Recredit

Recorde-se que o Governo criou em 2017 uma empresa pública para acolher todo o crédito malparado do sistema bancário público, a Recredit, no valor de 700 mil milhões de kwanzas, valor semelhante ao que o estado ali colocou.

No entanto, em declarações recentes, o administrador executivo da Recredit, Filipe Soares, garantiu que a empresa não vai comprar credito malparado sem garantia de recuperação.

“A Recredit não vai branquear a má gestão de bancos comerciais”, advertiu Filipe Soares em declarações à RNA. (Novo Jornal Online)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »