Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Caso Skripal: G7 e UE condenam ataque e responsabilizam russos por uso de agente químico

Os ministros dos Negócios Estrangeiros do G7 e da União Europeia (EU) condenaram o ataque contra o ex-espião russo Serguei Skripal e a sua filha Yulia, responsabilizando a Rússia pelo uso de um composto químico altamente tóxico.

Num comunicado divulgado segunda-feira à noite em Otava, Canadá, os ministros do G7 (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Itália e Japão) assinalaram que “este uso de um agente nervoso de nível militar, de um tipo desenvolvido pela Rússia, constitui o primeiro uso ofensivo de um agente nervoso na Europa desde a Segunda Guerra Mundial e é um grave desafio”.

“O seu uso é detestável, completamente inaceitável e deve ser condenado sistemática e rigorosamente”, acrescentaram os ministros, depois de serem informados pelas autoridades do Reino Unido dos detalhes do ataque que aconteceu a 04 de março na localidade britânica de Salisbury.

O G7 comprometeu-se ainda a “proteger e promover o sistema internacional baseado em normas” e denunciou que o ataque a Skripal e à sua filha aconteceu no contexto de “uma série de ações prévias irresponsáveis e desestabilizadoras da Rússia, incluindo a interferência em sistemas democráticos de outros países”.

Finalmente, o grupo das sete maiores economias mundiais pediu à Rússia que cumpra as suas obrigações para com a Convenção de Armas Químicas e disse que continuará a desenvolver as suas capacidades para responder a “ameaças híbridas”, como cibersegurança, comunicações estratégicas e contrainteligência.

O envenenamento do ex-espião duplo, Serguei Skripal, de 66 anos, e da sua filha, Yulia, em solo britânico, provocou uma das piores crises nas relações entre a Rússia e o ocidente desde a guerra fria e conduziu a uma vaga histórica de expulsões recíprocas de diplomatas.

Londres acusa Moscovo de envolvimento neste envenenamento através da utilização de um agente neurotóxico, conhecido como novichok, enquanto a Rússia desmente as acusações e denuncia uma “provocação” e uma “campanha antirrussa”.

O Governo português chamou, a 27 de março, o embaixador português em Moscovo, Paulo Vizeu Pinheiro, na sequência do ataque.

Também a chefe da diplomacia da UE, Federica Mogherini, chamou o representante dos 28 em Moscovo, mas quase todos os países do bloco europeu — à exceção de Portugal e outros cinco Estados – optaram por expulsar diplomatas russos. (Diário de Notícias)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »