Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Irão adverte para “consequências regionais” do ataque de hoje na Síria

O Governo iraniano advertiu hoje para as “consequências regionais” do ataque ocidental à Síria, considerando-o uma “flagrante violação do direito internacional”.

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano, Bahram Qasemi, denunciou, em comunicado, que o ataque realizado esta madrugada pelos Estados Unidos, Reino Unido e França ignora “a soberania e a integridade territorial da Síria”.

“Os Estados Unidos e seus aliados são responsáveis pelas consequências regionais dessa ação”, acrescentou o porta-voz.

Segundo o Irão, os EUA, a França e o Reino Unido decidiram bombardear a Síria “sem quaisquer provas” do alegado ataque químico, há poucos dias, na cidade de Duma, arredores de Damasco e sem esperar pelos peritos internacionais que deveriam iniciar hoje uma investigação no terreno.

Teerão, aliada de Damasco, considera que as acusações de ataques químicos foram “uma desculpa” para justificar o ataque militar de hoje.

Os EUA, a França e o Reino Unido realizaram hoje uma série de ataques com mísseis contra alvos associados à produção de armamento químico na Síria, em resposta a um alegado ataque com armas químicas na cidade de Douma, Ghuta Oriental, por parte do governo de Bashar al-Assad.

A ofensiva consistiu em três ataques, com uma centena de mísseis, contra instalações utilizadas para produzir e armazenar armas químicas, informou o Pentágono.

O presidente dos EUA justificou o ataque como uma resposta à “ação monstruosa” realizada pelo regime de Damasco contra a oposição e prometeu que a operação irá durar “o tempo que for necessário”.

O embaixador da Rússia em Washington, Anatoli Antonov, advertiu que este ataque “não ficará sem consequências”.

Peritos da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) tinham previsto iniciar hoje uma investigação sobre o alegado ataque com armas químicas. A missão recebeu um convite do Governo sírio, sob pressão da comunidade internacional.

Mais de 40 pessoas morreram e 500 foram afetadas no ataque de 07 de abril contra a cidade rebelde de Douma, em Ghuta Oriental, que segundo organizações não-governamentais no terreno foi realizado com armas químicas.

A oposição síria e vários países acusam o regime de Al-Assad da autoria do ataque, mas Damasco nega e o seu principal aliado, a Rússia, afirmou que o ataque foi encenado com a ajuda de serviços especiais estrangeiros. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »