Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

PT se aferra a Lula apesar de tudo

Lula está preso, mas o Partido dos Trabalhadores (PT) mantém sua candidatura à Presidência apesar de tudo, uma estratégia de alto risco que evidencia sua falta de opções reais.

Se este tema é debatido no âmbito do maior partido da esquerda latino-americana, só se sabe internamente.

Por enquanto, Luiz Inácio Lula da Silva continua sendo o favorito para vencer as eleições de outubro com 37% das intenções de voto, segundo a última pesquisa da Datafolha. E o PT multiplicou o apoio incondicional ao seu líder histórico.

O partido transferiu simbolicamente sua sede de São Paulo para Curitiba, onde o ex-presidente está preso desde 7 de abril, e todos os seus deputados adicionaram “Lula” aos seus nomes políticos para que apareçam nos painéis do Parlamento.

“Não temos plano B”, admitiu esta semana a ex-presidente Dilma Rousseff, assegurando que se “lutará em todas as instâncias jurídicas para que Lula seja candidato”.

O sociólogo Alberto Almeida, do Instituto Análise de São Paulo antecipa uma pré-campanha muito incomum.

“O partido tem três meses até a campanha oficial para tentar tirar Lula da cadeia. Acho que esse será o objetivo”, disse.

Apesar da ameaça concreta de que Lula seja invalidado como candidato, “é muito difícil para o partido abrir mão de tamanha liderança. Nos últimos 20 anos, Lula foi o norte”, avaliou Debora Messenberg, socióloga e cientista política da Universidade de Brasília.

Lincoln Secco, historiador da Universidade de São Paulo e autor do livro “História do PT”, acrescenta: “Lula e o PT são inseparáveis”.

“O partido usa uma estratégia correta: manter Lula candidato, mesmo preso. Como o partido não poderia afirmar que ele é um preso político?”, questiona-se Secco. “Lula não teve um processo justo”.

– “Refém” –

O PT escolheu capitalizar a ideia de um processo político e sobre a comoção em torno da sequência movimentada da entrega de Lula, que deixou o poder em 2010 com uma popularidade de 87% após oito anos de governo, mas que também fez muitos inimigos.

“Em certa forma, o PT é refém do Lula”, avaliou o cientista político Paulo Moura.

“A mobilização do PT em torno de Lula é muito mais uma estratégia para tentar manter sua tropa ativa para sobreviver”, disse. “Sem a expectativa de Lula candidato a base do PT se esfarela. É um beco sem saída porque preso Lula não poderá fazer campanha”.

O ex-líder sindical de 72 anos continua sendo a personalidade proeminente da esquerda e longe de ungir um sucessor, teve o cuidado de não sugerir herdeiros.

Em seu último discurso em liberdade, em São Bernardo do Campo, “não deu atenção especial a nenhum possível candidato petista”, mas “apontou Manuela D’Ávila [pré-candidata presidencial pelo PCdoB) e [Guilherme] Boulos [pré-candidato presidencial pelo PSOL] como candidatos para o futuro da esquerda”, lembrou Secco.

“Com isso, ele mantém o partido unido na sua defesa e amplia a solidariedade a ele para o conjunto da esquerda”, completou.

Apesar da derrota nas eleições municipais de 2016, após o impeachment de Dilma Rousseff, o partido cofundado por Lula ainda tem peso. Governa seis estados, incluindo Bahia e Minas Gerais, e conta com 2,2 milhões de afiliados.

No entanto, perdeu grande parte do brilho com o escândalo de compra de votos do “mensalão” (2005) e com as denúncias da Operação ‘Lava Jato’ (2014), que revelou um esquema de propinas envolvendo empresários e políticos de vários partidos.

Seu reduto é o nordeste e seu eleitorado inclui milhões de brasileiros que saíram da pobreza durante os dois mandatos de Lula, e um representativo grupo de intelectuais.

– Um nome –

“Não nenhum partido de esquerda que tenha a força eleitoral do PT, nem o tamanho da sua bancada”, destaca a socióloga Messenberg.

Com 60 deputados, o partido deixa para trás inclusive os 56 do MDB do presidente Michel Temer.

Mas assim como a maioria dos analistas, Messenberg não acredita que Lula seja candidato. “O PT vai ter que ter algum outro nome nesse caldeirão até outubro”.

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad não é uma unanimidade e a eventual candidatura do ex-ministro Jaques Wagner foi ofuscada por denúncias de corrupção.

E o que acontecerá quando a Justiça declarar Lula inelegível por ter uma condenação confirmada em segunda instância, como prevê a Lei da Ficha Limpa?

“Aí, sim, o PT terá um problema, que é a questão da transferência dos votos de Lula para outro candidato. Nada indica que isso dará certo”, disse Secco.

Paulo Moura é ainda mais pessimista: “O PT está entrando em rota de decadência”. (Afp)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »