Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Trabalhadores da TACV com salários em atraso, Governo garante regularização

Os trabalhadores da transportadora aérea pública cabo-verdiana TACV estão com o salário do mês de março em atraso, mas o Governo garantiu esta segunda-feira que a situação será regularizada até terça-feira.

No sábado, a agência cabo-verdiana de notícias Inforpress noticiou que trabalhadores da TACV ainda não tinham recebido o salário de março, habitualmente pago até dia 20 de cada mês, com a administração a garantir que a regularização estava feita.

Questionado neste dia pelos jornalistas, o secretário de Estado das Finanças, Gilberto Barros, respondeu que os salários serão regularizados “entre hoje e terça-feira”. Gilberto Barros não explicou os motivos para o atraso no pagamento dos salários, mas sublinhou os problemas financeiros por que passa a empresa pública de aviação cabo-verdiana.

“Não é segredo nenhum em Cabo Verde que a empresa tem tido uma situação de falência técnica. Para se resolver isso, é preciso um período de transição, que acredito está praticamente no fim e teremos em breve boas notícias sobre essa situação”, prometeu a tutela.

Questionado sobre se está a haver uma priorização no pagamento à Icelandair, a que a TACV aluga os aviões e parte da tripulação, em detrimento dos trabalhadores da TACV, Gilberto Barros disse que não. A administração da TACV justificou os atrasos no pagamento dos salários com questões relacionadas com a transferências interbancárias.

A TACV, que acumulou mais de 100 milhões de euros de passivo, apenas efetua operações internacionais e deixou de fazer voos domésticos que, desde agosto, passaram a ser asseguradas pela Binter Cabo Verde.

Paralelamente, o Governo assinou um acordo com o grupo Icelandair para a gestão da operação internacional da companhia e a reestruturação da empresa com vista à sua privatização, num processo que deve implicar a saída da empresa de mais de 200 trabalhadores.

A companhia iniciou em fevereiro as suas atividades operacionais a partir da ilha do Sal, estando também em negociação para a transferência de trabalhadores, e tem em andamento um programa de rescisão por mútuo acordo e de pré-reforma. O Governo anunciou que já tem uma verba de 13,3 milhões de euros para o pagamento de indemnizações. (Observador)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »