Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Liga dos Campeões: reviravolta épica, Barcelona fora e Roma nas «meias» 34 anos depois

Italianos viram 4-1 da primeira mão, vencem por 3-0, numa das eliminatórias mais incríveis da história.

Diz-se que todos os caminhos vão dar a Roma. E a história tratará de o fazer, quando este 10 de abril de 2018 for lembrado nas memórias do futebol. Da Liga dos Campeões.

Uma tremenda exibição da equipa de Di Francesco deu vitória por 3-0 e o apuramento dos romanos para as meias-finais da liga milionária 34 anos depois da última – e única – presença na dita fase da prova.

Para trás fica o Barcelona de Messi, Suárez e companhia, fora das «meias» pelo terceiro ano consecutivo, numa noite de quase total apagão da equipa de Valverde, alerta, de antemão, que o «excesso de confiança» podia custar «caro». Custou mesmo e os catalães estão eliminados pelos golos fora, após o 4-1 da primeira mão.

Na noite da capital italiana, todo o gialorosso foi herói. Dzeko, primeiro – já tinha marcado em Camp Nou – e De Rossi e Manolas, que completaram a cambalhota: os mesmos que fizeram autogolos em Barcelona. Como o futebol é antagónico, imprevisível, puro. Lindo, quando jogado.

No marcador, o golo de Edin Dzeko, aos seis minutos, foi o mais sério aviso ao Barcelona. Potenciou a crença, deu aso a um hino ao futebol coletivo por parte da Roma.

O Barcelona apresentou o mesmo onze da primeira mão. Já Di Francesco mudou três e ajustou o sistema tático. As alterações deram exímia competitividade e disponibilidade física aos italianos. A história virou.

Assente num 3x5x2 com os laterais Kolarov e Florenzi a percorrerem todo o flanco, a Roma foi mais robusta a meio campo, com De Rossi – mais recuado – e Strootman e Nainggolan a capacitarem recuperação e transição. Isso e pouco espaço dado aos médios do Barça. Na frente, Schick caiu várias vezes na direita e Dzeko foi letal entre os centrais.

FICHA E FILME DO ROMA-BARCELONA

Tudo mostrou um Barcelona com pouca capacidade de ser fiel às suas ideias.

Fora um remate de Sergi Roberto à figura de Alisson, ainda com 0-0, e dois livres de Messi, por cima, o Barcelona foi igual a zero na primeira parte. Do outro lado, uma Roma sufocante a dever a si mesma uma vantagem maior ao intervalo: que o digam as cabeças de Schick e Dzeko, quase a dobrar a diferença.

Fazia aquela um passe delicioso de De Rossi para Dzeko ganhar a frente a Umtiti e bater Ter Stegen.

Messi, marcado individualmente por Juan Jesus, não conseguiu fazer a diferença. Nem os restantes. E o reinício trouxe mais expetativa no marcador.

Dzeko – quem mais – voltou a ganhar a frente à defesa catalã e acabou derrubado por Piqué dentro da grande área. Turpin apontou para a marca de penálti e De Rossi fez o 2-0 (58m).

Um resultado sem resposta efetiva do Barcelona. Só Messi apareceu e com um remate à figura de Alisson (74m). A impressionante Roma carregava. Ameaçava o conto de fadas. De Rossi e o recém-entrado El Shaarawy avisaram, Ter Stegen negou, mas houve sentença ao minuto 82.

Manolas, um dos infelizes da primeira mão, a virou herói: cabeça a canto de Under, 3-0 no marcador e cambalhota total.

Delírio em Roma consumado após o suspense nos instantes finais. O Barça não recuperou a eliminatória e volta para casa de mãos – e cabeças – a abanar.

A Roma junta-se ao Liverpool nas meias-finais e pode mesmo ditar o reencontro com os ingleses, após a final de 1984.

Que bonita esta história. Para a história. (Mais Futebol)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »