Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

V. Setúbal-Benfica, 1-2

A lesão de Jonas no aquecimento foi premonitória. Órfão da sua estrela maior, o Benfica só podia ter pela frente uma noite difícil no Bonfim.

E teve-a. Os encarnados regressaram a Lisboa com os três pontos dados por Raúl Jiménez no último sopro da marca dos onze metros: o avançado mexicano, tantas vezes solução de luxo para desamarrar jogos e tirar a equipa da Luz do fundo do poço, apontou os dois golos que permitiram ao líder do campeonato chegar nessa condição ao clássico da próxima semana com o FC Porto.

A lesão de Jonas no aquecimento foi premonitória. Órfão da sua estrela maior, o Benfica só podia ter pela frente uma noite difícil no Bonfim.

E teve-a. Os encarnados regressaram a Lisboa com os três pontos dados por Raúl Jiménez no último sopro da marca dos onze metros: o avançado mexicano, tantas vezes solução de luxo para desamarrar jogos e tirar a equipa da Luz do fundo do poço, apontou os dois golos que permitiram ao líder do campeonato chegar nessa condição ao clássico da próxima semana com o FC Porto.
PUB

FILME E FICHA DE JOGO

Não bastava a lesão de Jonas, os encarnados tiveram ainda de superar uma entrada em falso no jogo. Costinha adiantou a equipa sadina aos 3 minutos com um remate de primeira após cruzamento de Nuno Pinto. Num ápice, a equipa de Rui Vitória recebia dois golpes duríssimos. Ficou de joelhos, levantou-se mas a reação não foi imediata. A organização defensiva dos homens de José Couceiro foi irrepreensível até à entrada para a segunda metade dos primeiros 45 minutos. ´

Durante largos períodos, superou o marasmo de ideias do tetracampeão, a quem faltava velocidade de pensamento e de execução para causar a mínima intranquilidade. O caminho do desequilíbrio tardou a ser encontrado: seria pela esquerda, onde Arnold, desatento e (também) desamparado), não conseguia segurar Cervi e Zivkovic, mas não foi por aí que se escreveu o triunfo do Benfica.

Aos 29 minutos, quando os defesas do Vitória ficaram a ver passar um cruzamento rasteiro de Rafa aproveitado com competência por Jiménez ao segundo poste (1-1), os encarnados já apresentavam outra toada. Antes disso, no espaço de apenas um minuto, o Benfica apresentou mais do que nos 25 minutos iniciais: primeiro foi Cristiano a negar o empate a Jardel; depois foi Cervi a falhar por centímetros.

A águia acelerava, por vezes a velocidade vertiginosa. Zivkovic abria o livro por vezes, Pizzi tentava acelerar o processo de construção, mas a muralha sadina resistiu até ao apito para o descanso.

O intervalo fez bem à equipa da casa e o Benfica não regressou dos balneários com o ímpeto da segunda metade da primeira parte. Antes pelo contrário. Regressou amorfo e deu oxigénio aos visitados.

Se o empate era um resultado lisonjeiro para o V. Setúbal ao intervalo, o conjunto de José Couceiro fez por justificá-lo nos segundos 45 minutos. Após um primeiro período conservador, despiu o fato-macaco e fez-se à vida em busca da felicidade.

Por momentos, pareceu até que os 22 jogadores em campo tinham trocado de papéis. O Benfica transformava-se no Vitória da primeira parte; os sadinos eram, de repente, a equipa que acelerava o jogo e causava momentaneamente o pânico junto à área de Varela.

Edinho falhou incrivelmente à passagem da hora de jogo, André Pereira tirou as medidas à baliza contrária e Wallyson também teve a felicidade nos pés. O período entre os 60 e os 70 minutos foi feliz para as águias, acometidas por uma patologia estranha.

Depois de suster sofregamente as ofensivas da equipa da casa, a águia pegou no jogo, mas faltou-lhe quase sempre a clarividência necessária para chegar a zonas de finalização, fosse ela alcançada com cabeça ou com coração.

Até aos 84 minutos, altura em que o Jiménez atirou de bicicleta para defesa atenta de Cristiano, os encarnados ainda não tinha (imagine!) conseguido fazer um único remate à baliza contrária em toda a segunda parte.

Nessa altura, os sadinos já tinham abdicado dos três pontos: a missão passava agora por segurar o empate.

E para segurar um ataque encarnado reforçado por Seferovic, Salvio e até Jardel, Couceiro lançara em campo Pedro Pinto, Podstawski e, por fim, Luís Felipe, antigo jogador do Benfica.

O lateral brasileiro reacendeu a ténue luz de esperança encarnada. Em cima do minuto 90, agarrou, no entender da equipa de arbitragem, Salvio na área e empurrou, no fundo, a águia para os céus.

Jiménez não desperdiçou a oferta e cumpriu com eficácia a missão que caberia a Jonas. (Mais Futebol)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »