Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Marcelo assinala “milagre a dois tempos” que permitiu a Portugal sair da crise

O Presidente da República destacou o “milagre a dois tempos” que permitiu a Portugal ultrapassar a crise económica e começar a crescer, numa entrevista em que assume que a sua relação com o primeiro-ministro “foi sempre boa e igual”.

Numa entrevista ao jornal espanhol La Voz de Galicia, divulgada hoje, Marcelo Rebelo de Sousa aponta duas fases na recuperação económica portuguesa, elogiando a ação do anterior primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, na primeira, e do atual, António Costa, na segunda.

O “mérito” da “primeira fase”, em que houve necessidade de “tomar medidas muito impopulares e correr o risco de ser penalizado por isso”, foi de Passos Coelho. Quanto ao segundo, de manter o rumo na consolidação das finanças públicas, foi de António Costa, a quem Marcelo Rebelo de Sousa atribui o mérito pela “segunda fase do milagre”.

“Quando se esperava que o novo Governo [chefiado por António Costa] , com uma composição oposta da composição anterior, e apoiado por partidos que tinham uma posição muito crítica em relação ao período anterior, quando muitos esperavam que esse Governo viesse romper com o caminho de recuperação das finanças públicas, isso não aconteceu”, assinalou, concluindo: “Houve essa determinação. Isso é mérito do primeiro-ministro António Costa e do seu Governo, é mérito dos partidos que apoiaram o Governo. Eu diria que foi um sinal de grande maturidade política”.

Na entrevista, o chefe de Estado assume que a sua relação com António Costa “foi sempre boa e igual”.

“Em primeiro lugar, porque defendo que o Presidente deve dar-se bem com o primeiro-ministro, com os órgãos de soberania e com os partidos políticos. Estou permanentemente em contacto com o chefe do Governo, não só nas audiências semanais, em bons e maus momentos, como foi o caso das tragédias dos incêndios. Além

disso, conhecemo-nos muito bem há décadas, já que ele foi meu aluno na Faculdade de Direito de Lisboa”, recordou.
O chefe de Estado português mostra a sua satisfação por o executivo de Costa ter convencido a União Europeia e os mercados e continuar estável a pouco mais de um ano das eleições legislativas.

“É uma satisfação que esse Governo, no qual ninguém acreditava internacionalmente, tenha convencido Bruxelas, os mercados e continue estável a um ano e poucos meses de acabar a legislatura”, assume o Presidente, para quem o “ponto de inflexão” foi o “início de 2017”.

Marcelo congratula-se também pela solidez do sistema político, tanto à esquerda como à direita.

“Temos um sistema político forte à esquerda e à direita, que oferece alternativas aos portugueses e evita o surgimento de populismos”, sublinha.

Congratula-se também por ter “desaparecido a crispação entre a esquerda e a direita” que surgiu após a eleições de 2015, ganhas por Passos Coelho, mas que não conseguiu formar Governo, dando lugar ao executivo socialista apoiado pelo PCP e BE.

Na entrevista, Marcelo Rebelo de Sousa salienta que a visita de Estado que fará a Espanha entre 16 e 18 deste mês será “muito importante”.

“Não foi por acaso que o rei de Espanha foi meu convidado especial na tomada de posse. Isso permitiu criar uma aproximação que corresponde à excelência atual das relações políticas entre o reino de Espanha e Portugal”, frisa.

O Presidente português lembra a visita dos reis de Espanha a Portugal, que foi “um grande sucesso”, e classifica o estado atual das relações bilaterais assinalando a “grande proximidade não intelectual e emotiva” e o “fenómeno espantoso de complementaridade e de colaboração constante”. (Sic)

com Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »