Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Greve na Ryanair chega ao Parlamento conduzida pelo Bloco de Esquerda

BE condena atitude da administração por “não respeitar a legislação em Portugal” e quer explicações. PCP lamenta falta de intervenção do Governo no cumprimento da lei da greve.

O BE anunciou este domingo que vai requerer a audição no parlamento dos trabalhadores e da administração da companhia aérea Ryanair, considerando “absolutamente intolerável” que a empresa invoque a origem irlandesa “para não respeitar a legislação em Portugal”.

O requerimento será entregue na Assembleia da República durante a próxima semana, com o pedido de “audição urgente” a ser extensível à Autoridade para as Condições do Trabalho, disse à Lusa o deputado bloquista Heitor de Sousa.

É absolutamente intolerável que uma empresa que anuncia investimentos, que anuncia uma base para a sua operação na Europa em Portugal, invoque como razão substantiva para não respeitar a legislação em Portugal o facto de ser uma empresa com origem irlandesa”, afirmou.

O BE reagia, deste modo, à forma como está a decorrer a paralisação dos tripulantes de cabina portugueses da Ryanair, à qual o sindicato do setor apontou irregularidades por parte da transportadora, como a violação do direito à greve.

Segundo o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), a paralisação dos tripulantes de cabine da transportadora aérea Ryanair teve uma adesão de 91%, com 27 voos cancelados. Trabalharam 52 tripulantes de um total de cerca de 350.
PCP critica Governo

O PCP lamentou entretanto a falta de intervenção do Governo no cumprimento da lei da greve na companhia aérea irlandesa Ryanair, impedindo que aviões voem com tripulação a substituir trabalhadores que aderiram à paralisação.

Em declarações à Lusa, Vasco Cardoso, da Comissão Política do PCP, lamentou que o “Estado português, o Governo português, não tenham os instrumentos para impedir que aviões que não deveriam estar no ar estejam a voar com tripulações que são de substituição de grevistas”.

Segundo o dirigente comunista, “é absolutamente inaceitável” a substituição de trabalhadores em greve e que se recorra “à chantagem e à ameaça de futuros despedimentos”, pelo que deveria ter havido uma “intervenção forte, mais energética” por parte do Estado, em particular do Governo, “no sentido do cumprimento da lei da greve”.

Para o PCP, “o Estado, o Governo, não podem ficar de braços cruzados” perante “uma atitude da empresa, que não pode estar acima da lei e da Constituição”.

Solidarizando-se com os tripulantes de cabina em greve, o PCP sublinhou que as suas reivindicações “são justíssimas”, em termos de salários, dias de descanso e proteção na saúde e velhice.
27 voos cancelados

A greve de domingo dos tripulantes de cabine da transportadora aérea Ryanair teve uma adesão de 91%, com 27 voos cancelados, segundo números do sindicato do setor.

Fonte do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) disse à agência Lusa que trabalharam 52 tripulantes de um total de cerca de 350.

Das 49 saídas previstas foram feitas 15 saídas com tripulação portuguesa (30%), tendo sido cancelados 27 voos (55%).

Foram ainda realizadas sete saídas com tripulação de outros países, que substituiu a portuguesa, uma situação que o SNPVAC já tinha denunciado.
Novo dia de greve na 4.ª

Os tripulantes de cabina portugueses da companhia aérea irlandesa entraram em greve no domingo pelo segundo dia não consecutivo.

A paralisação de três dias, que termina na quarta-feira, visa exigir que a transportadora aplique a legislação nacional, nomeadamente em termos de gozo da licença de parentalidade, garantia de ordenado mínimo e a retirada de processos disciplinares por motivo de baixas médicas ou vendas a bordo abaixo das metas da empresa.

De acordo com o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil, a companhia está a substituir os grevistas portugueses recorrendo a outras bases europeias.

O mesmo sindicato avançou que a operadora está a contactar tripulantes na Europa para substituírem os grevistas portugueses, chegando inclusivamente a ameaças de despedimento, acusação que a Ryanair se escusou a comentar.

Num memorando enviado aos trabalhadores, a que a Lusa teve acesso, a Ryanair admitiu ter recorrido a voluntários e a tripulação estrangeira durante a greve dos tripulantes portugueses.

A Autoridade para as Condições de Trabalho anunciou já que desencadeou uma inspeção na Ryanair em Portugal para avaliar as irregularidades apontadas pelo sindicato. (Tvi24)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »