Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Negros são mais afectados pelo cancro da próstata

Os homens de raça negra são mais propensos a desenvolver o cancro da próstata, mas cientificamente ainda não foi descoberta razão dessa incidência, disse em Luanda a médica imagiologista, Rachel Muingilu.

Durante um encontro de-nominado “Café com Ciência e Tecnologia”, sob o tema “Tecnologias para Diagnósticos e Tratamento dos Cancros mais Frequentes em Angola”, a médica da Clínica Girassol salientou que ainda é desconhecida a causa da origem dessa patologia em pessoas do sexo masculino de raça negra, mas adiantou existirem alguns factores de risco.

“O homem, por natureza, é portador de próstata que não é cancro”, explicou aos participantes. A médica adiantou que “o desenvolvimento do mal também é proporcional à idade da pessoas afectada”, sugerindo que “este crescimento deve ser controlado”.

A especialista alertou que existe a inflamação da próstata que não é necessariamente considerada cancro. A próstata existe no órgão reprodutor masculino, no formato de uma ameixa e pesa cerca de 20 gramas.

Quanto ao desenvolvimen-to da doença, Rachel Muingilu, disse que se comporta de acordo com o organismo de cada pessoa. A patologia, em alguns casos, desenvolve-se de forma menos ou mais agressiva.

O homem deve fazer o rastreio para detectar a doença, a partir dos 45 anos, mas, se houver um historial na família, é aconselhável fazer o exame mais cedo, alertou a médica Rachel Muingilu.

Mais de mil casos de cancro

Um total de 1.313 novos casos de cancro foram diagnosticados durante o ano passado pelo Instituto Angolano de luta contra a doença. A informação foi prestada em Luanda pela médica oncologista, Albertina Manaça.

Ao dissertar durante o encontro “Café com a Ciência e Tecnologia”, a médica apontou a falta de um registo de base populacional e a inexistência de uma rede oncológica para a assistência mais próxima da residência do paciente, que fazem com que a maioria dos afectados sejam apenas diagnosticados em fase já avançada da doença.

A especialista salientou que o crescimento anual do cancro em Angola tem a ver também com a falta de recursos humanos, infra-estruturas e equipamentos tecnológicos insuficientes para dar resposta à procura crescente para a prevenção, diagnóstico precoce, tratamento e cuidados paliativos dos pacientes.

Dados do Instituto Angolano de Controlo de Cancro apontam que nos últimos cincos anos 5.715 pessoas fora diagnosticadas no país. Deste número, os mais frequentes são o cancro da mama com 1.215 casos, do colo do útero (963) e da cabeça e pescoço com 616 casos.

De acordo com a médica oncologista, a tecnologia para o diagnóstico e tratamento do cancro mais frequente em Angola passa pela cirurgia, radioterapia, quimioterapia, hormonoterapia, cuidados pa-liativos e terapia alvo.
A médica imagiologista da Clínica Girassol, Rachel Muingilu, disse na ocasião que a idade ideal para fazer a mamografia normal em Angola é aos 40 anos.

No caso de mulheres que têm historial de cancro na família, a médica recomenda exames de rastreio a partir dos 35 anos.

Mortes pela doença

Mais de 7.200 pessoas morrem anualmente, no país, vítimas de cancro, revelam dados divulgado pela Direcção Nacional de Saúde Pública.

Para contrapor o crescimento da doença e o impacto negativo na vida das pessoas, a OMS recomenda que se desenvolva programas de prevenção e de controlo do cancro. A Organização Mundial de Saúde regista todos os anos, no mundo, cerca de 14 milhões de casos novos de cancro e 8,2 milhões de pessoas morrem vítimas da doença.

As projecções apontam para um aumento de doentes, caso não sejam implementadas medidas eficazes de prevenção. (Jornal de Angola)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »