Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Elite brasileira que importa sêmen prefere doadores brancos de olhos azuis

Brasil se transformou em um dos países que mais compram esperma norte-americano no mundo, a um ritmo que só aumenta

O Brasil se transformou em um dos países que mais importam sêmen norte-americano no mundo, a um ritmo que só aumenta. No ano passado comprou 500 tubos em comparação com 16 em 2011, de acordo com números oficiais. O envio de tanto fluido sugere que no principal país latino-americano existem cada vez mais mulheres solteiras e casais de lésbicas com dinheiro, mas também revela que por aqui a criança mais desejada tem um perfil bem concreto: loira, com olhos claros e preferivelmente com sardas. Ou seja, a criança mais branca possível. Em um país onde os negros são maioria numérica (51% da população) e minoria econômica, ser branco é o símbolo definitivo de status.

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), de todas as amostras de esperma que os brasileiros compraram dos Estados Unidos entre 2014 e 2016, 95,4% vinha de homens brancos; 51,8% tinha olhos azuis; 63,5% cabelo castanho. Em resumo, pouco a ver com o Brasil, um país que até 1888 importou dez vezes mais escravos africanos do que os Estados Unidos e onde, portanto, essa é a genética mais comum. Mas muito a ver com a elite brasileira. De acordo com o IBGE, o 1% mais rico do Brasil é formado por 79% de brancos e somente 17% de negros. Segundo a mesma instituição, entretanto, cada vez que ocorre um assassinato, as probabilidades de que o morto seja negro são de 78,9%. Parece que é preferível ter um filho tão branco, tão pouco relacionado à história brasileira, que seja diretamente norte-americano.

Não é só que as elites prefiram importar brancos antes de introduzir um negro em suas fileiras; quando são os negros que se introduzem nelas, as leis que proíbem as condutas racistas se tornam maleáveis. Na quinta-feira 21 de março um grupo de três jovens negros foi a um shopping nos Jardins, um bairro de classe média alta em São Paulo. Entraram em uma loja de roupas onde ocorria o lançamento de calças jeans e pouco depois foram abordados pelo vendedor: havia desaparecido o sabonete do banheiro. Eles disseram que era racista achar que os únicos negros do shopping eram os ladrões e que era preciso ser negro para roubar sabonete usado. O vendedor argumentou que uma loja tão gay como aquela não poderia ser racista (sic). No dia seguinte, o estabelecimento denunciou os jovens. O motivo: os negros acusaram publicamente a loja de racismo. (ElPais)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »