Radio Calema
InicioMundo LusófonoGuiné-BissauMulheres jornalistas da Guiné-Bissau acusam sindicato de marginalização

Mulheres jornalistas da Guiné-Bissau acusam sindicato de marginalização

As jornalistas da Guiné-Bissau acusaram o sindicato da classe, que está reunido no seu segundo congresso, de marginalização, por apenas existirem oito delegadas num universo de 100 pessoas.

Dircia Sá e Artemisa Cabral, ambas jornalistas da televisão da Guiné-Bissau, criticaram o facto de nenhuma mulher ter sido escolhida como delegada ao congresso nos quatro órgãos de comunicação social públicos (radio, televisão, jornal estatal e agencia noticiosa da Guiné).

“Até parece que não há mulheres com competência nesses órgãos”, afirmou Bucansil Cabral.

As mulheres jornalistas fizeram ver o seu desagrado com a sua exclusão no congresso que hoje teve início em Bissau sob o lema por um sindicalismo mais forte e um jornalismo mais credível e independente.

Disputam a liderança do sindicato de jornalistas e técnicos de comunicação social (Sinjotecs) da Guiné-Bissau, Indira Baldé e Assimo Baldé, ambos jornalistas da delegação da RTP-Africa na Guiné-Bissau.

A eleição de uma nova direção deve acontecer na terça-feira.

Hoje a direção cessante, liderada pelo jornalista Mamadu Candé, viu o seu relatório de atividades de quatro anos aprovado com emendas e com muitas críticas.

O congresso conta com o apoio financeiro e logístico do Gabinete Integrado das Nações Unidas para Consolidação da Paz na Guiné-Bissau (Uniogbis). (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.