Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Luanda vacina Sete mil crianças contra o sarampo e a rubéola

Sete mil crianças, que vivem no distrito da Estalagem, Viana, serão vacinadas contra o sarampo e a rubéola, nos dias 23, 24 e 25 deste mês, no âmbito do Programa de Intensificação de Vacinação de Rotina e de completar o calendário vacinal de menores de um ano de idade.

Em declarações à Angop, Felismina Neto, Chefe do sector de Vacinação do gabinete Provincial de vacinação, esta campanha visa imunizar contra o sarampo e rubéola todas as crianças dos nove meses a menores de cinco anos de idade das áreas do KM14 (sector B) e KM9 (sectores B e D), devido à fraca cobertura na província de Luanda.

Para facilitar a vacinação da população alvo, a intensificação da vacinação de rotina vai decorrer com equipas avançadas distribuídas nos sectores indicados pelos presidentes das comissão de moradores.

As equipas deverão chegar nos locais com grande aglomerado populacional como mercados, paragens de transportes, escolas, centros recreativos, creches e igrejas.

Para o êxito da campanha, as autoridades sanitárias contam com o contributo da Repartição Municipal de Viana e da Organização Mundial de Saúde, que mobilizaram pessoas treinadas para o efeito.

No entanto, as mães e outros encarregados de educação são chamadas a levar os seus filhos menores aos postos de vacinação acompanhados do cartão de vacina para a actualização, já que as crianças receberão também a nova vacina injectável contra a poliomielite.

Rubéola, também conhecida como sarampo alemão, é uma infecção contagiosa causada por vírus e caracterizada por erupções vermelhas na pele. É causada pelo vírus Rubella vírus e é transmitida de pessoa para pessoa, por meio do espirro ou tosse, sendo altamente contagiosa.

Uma pessoa com rubéola pode transmitir a doença a outras pessoas desde uma semana antes do início da erupção até uma a duas semanas depois de seu desaparecimento. Ou seja, uma pessoa pode transmitir a doença antes mesmo de saber que tem rubéola.

A doença também pode ser congênita, podendo ser transmitida de mãe para filho ainda durante a gravidez. (Angop)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Translate »