Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

500 milhões USD transferidos ilegalmente do BNA “descongelados” pelas autoridades britânicas para regresso a Angola

A Agência Nacional Britânica Contra o Crime avançou hoje que os 500 milhões de dólares transferidos do Banco Nacional de Angola (BNA) para o banco Credit Suisse de Londres, operação que desencadeou uma investigação por suspeitas de fraude contra o Estado angolano, já foram liberados para regresso a Angola.

A autoridade necessária foi concedida para que a verba seja devolvida às autoridades angolanas”, disse à Reuters fonte da Agência Nacional Britânica Contra o Crime (NCA, na sigla inglesa).

O “descongelamento” dos 500 milhões de dólares e o seu retorno aos cofres do Estado angolano vinha mobilizando esforços conjuntos do Ministério das Finanças e do BNA junto do Governo e da banca inglesa, informou o procurador-geral adjunto e coordenador da Direcção Nacional de Investigação e Acção Penal (DNIAP), João Luís de Freitas Coelho.

A verba em causa foi congelada no âmbito de uma investigação por suspeitas de fraude contra o Estado angolano.

O processo teve início no ano passado, quando as autoridades britânicas consideraram haver indícios de fraude na transferência de 500 milhões de dólares do BNA para o banco Credit Suisse de Londres.

O valor foi movimentado na recta final da presidência de José Eduardo dos Santos, num caso em que o ex-governador do banco central, Valter Filipe, já foi notificado.

De acordo com procurador-geral adjunto, o antigo responsável do banco central está indiciado pelo crime de peculato e branqueamento de capitais, e, após ter sido interrogado “demoradamente”, viu serem-lhe aplicadas algumas medidas de coacção, nomeadamente de não abandonar o país e de apresentação periódica junto da DNIAP, onde está o magistrado instrutor dos autos.

Para além do ex-governador, as autoridades investigam outras pessoas “que também têm alguma responsabilidade na saída ilegal deste dinheiro” de Angola, informou João Luís de Freitas Coelho.

A PGR prefere contudo “ainda não citar” mais nomes, “para o bem da investigação e da descoberta de material”.

“Vamos aguardar que a investigação continue, para que se possa, mais lá para frente, aferir outros nomes”, disse o responsável no final da semana passada, defendendo que é “prematuro” avançar agora com mais informação. (Novo Jornal Online)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »