Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Ministro reitera desburocratização da informação nos órgãos

Uma informação desburocratizada, baseada numa pauta independente e por iniciativa dos órgãos de Comunicação Social, sobretudo públicos, contrária a dependência das coberturas de actividades governamentais e de outras instituições, deve ser empreendida em prol de uma informação mais dinâmica, séria e atraente.

Essa posição foi reafirmada hoje (segunda-feira), nesta cidade, pelo ministro da Comunicação Social, João Melo, durante uma palestra sobre o Discurso Jornalístico da Actualidade, que marcou a abertura do curso de Reportagem Jornalística, promovido pelo Ministério de tutela, em parceria com o Centro de Formação de Jornalistas (CEFOJOR), que tem por objectivo elevar o nível de competência técnica e profissional dos quadros do sector.

De acordo com o governante, é importante que os órgãos primem por critérios próprios para a elaboração de uma agenda autónoma, sem depender de pedidos de cobertura, onde se deve incluir a reportagem e a promoção do debate plural, sempre em obediência às normas que balizam a profissão.

Durante a sua dissertação, o ministro sublinhou igualmente a necessidade da Televisão, Rádio e Jornal de Angola ordenarem os seus destaques de acordo com a importância de cada matéria, procedimento este que considerou estar já a ser paulatinamente observado.

Quanto à reportagem, João Melo recordou que esse género deve ser devidamente apurado, sendo por isso crucial a documentação do próprio repórter sobre o assunto que vai abordar, de modo a não resvalar na opinião.

A confrontação, ponderação, postura isenta, independente e crítica, para além da não assunção das declarações das fontes como verdades absolutas, entre outros, são, segundo João Melo, os critérios a se ter em conta para a elaboração de uma reportagem atraente, tendo alertado os profissionais no sentido de não agirem ao reboque das redes sociais, em função dos males que daí podem advir.

O titular do sector da Comunicação Social reprovou também a promiscuidade entre jornalistas e diferentes entidades, prática que o ministério pede denúncia, com vista a responsabilizar os implicados.

A palestra contou com a participação dos presidentes dos Conselhos de Administração e jornalistas dos órgãos públicos e privados, bem como de responsáveis de Departamentos de Comunicação Institucional e Imprensa de instituições públicas e das províncias de Malanje, Cuanza Norte e Uíge.

No prosseguimento da sua jornada de trabalho, o ministro da Comunicação Social vai inteirar-se do funcionamento das delegações da ANGOP (Agência Angola Press), da Televisão Pública de Angola (TPA ) das Edições Novembro e da Rádio Malanje.

Acção de género realizou-se recentemente no Huambo, onde além de jornalistas dessa província, foram beneficiados também os do Bié, Benguela, Cuanza Sul e Cuando Cubango, visando a prestação de um serviço informativo de excelência. (Angop)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »