Radio Calema
InicioMundoÁfricaONU admite "falhas" após morte de 15 Capacetes Azuis na Congo

ONU admite “falhas” após morte de 15 Capacetes Azuis na Congo

Ataques contra Capacetes Azuis ocorridos em 2017 na República Democrática do Congo (RDCongo) e que fizeram, por exemplo, a 07 de dezembro 15 mortos tanzanianos evidenciaram várias “falhas” no treino e no dispositivo da ONU, reconheceu na sexta-feira a organização.

Citando as conclusões de um inquérito conduzido por um funcionário russo, Dimitri Titov, a ONU confirma em comunicado que aquele ataque foi cometido por combatentes do grupo das Forças Democráticas Aliadas (ADF), um grupo armado ugandês muçulmano, ativo no Kivu do Norte, fronteiriço com o Uganda.

O ataque perpetrado contra a Missão das Nações Unidas no Congo (MONUSCO) a 07 de dezembro foi o mais grave efetuado contra Capacetes Azuis em todo o mundo nos últimos 24 anos.

“Existiram erros em toda a linha” e “diferentes responsabilidades em diferentes níveis”, segundo fontes diplomáticas que tiveram acesso ao relatório dos investigadores, que não será tornado público.

“Houve um grande problema de transmissão de informações e nenhum apoio aéreo”, precisou um diplomata, a coberto do anonimato.

De acordo com o comunicado da ONU, os investigadores expuseram “várias falhas no treino e no dispositivo da MONUSCO, bem como na sua força de intervenção rápida (FIB)”, concluindo, por exemplo, que a MONUSCO “não tinha um plano de ação para reforçar ou retirar os seus Capacetes Azuis durante o ataque”.

“Problemas de comando e de controlo, de direção e falta de meios, nomeadamente aeronáuticos, e em matéria de serviços de informações, foram também grandes obstáculos” à redução das baixas — falhas que “necessitam de correção urgente”, refere ainda o comunicado da ONU, sem mais pormenores.

O texto das Nações Unidas precisa que várias medidas foram tomadas desde então, da iluminação das instalações ao alargamento dos perímetros de segurança em diversas bases de Capacetes Azuis em todo o país.

Os investigadores debruçaram-se, no total, sobre três ataques, ocorridos a 07 de dezembro, 16 de setembro e 07 de outubro, todos na mesma região de Mamundioma, no leste do país. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.