Portal de Angola
Informação ao minuto

Proposta de Lei criminaliza aborto mas prevê excepções

MINISTRO DA JUSTIÇA E DOS DIREITOS HUMANOS, FRANSCISCO QUEIRÓZ (FOTO: PEDRO PARENTE)

O aborto, interrupção da vida intra-uterina, passará a ser crime segundo a Proposta de Lei que aprova o Código Penal Angolano, apreciado nesta quarta-feira em Conselho de Ministros.

Sobre este assunto falou no final da sessão à imprensa o ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Francisco Queiróz, admitindo que o documento a ser submetida à Assembleia Nacional contempla algumas excepções.

As excepções estão relacionadas com a vida da mulher grávida que na proposta de lei se sobrepõe a do feto em formação.

Outra excepção apontada pelo ministro da Justiça e dos Direitos Humanos tem a ver com os casos em que a gravidez resulta de violações e de incesto (actividade sexual entre membros da mesma família ou entre parentes).

Francisco Queiróz afirmou constituírem também excepções os casos em que a vida do feto for inviável do ponto de vista médico.

É uma viragem histórica no nosso modelo penal, considerou o governante numa referência ao documento que já esteve em discussão no Parlamento da legislatura anterior.

A questão do aborto, afirmou, fez paralisar o processo que agora foi retomado. O novo modelo clarifica a nível penal o que considerou de alguns comportamentos.

Ainda no quadro da Proposta de Lei que aprova o Código Penal Angolano serão criminalizadas as infracções de natureza informática e contra a economia.

O actual código em vigor em Angola é de 1886 e já não está de acordo com a realidade social, política e cultural do país. (Angop)

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »