Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

SME deteve suspeito de auxílio à imigração ilegal, os 16 imigrantes viajavam no chassi do camião

O Serviço de Emigração e Estrangeiros deteve um cidadão nacional no Posto de contenção do Nkoko, província do Zaire, a 17 quilómetros da fronteira do Luvo, por indícios da prática de auxílio à imigração ilegal a 16 cidadãos oriundos da República Democrática do Congo (RDC).

Segundo o que o Novo Jornal Online apurou junto das autoridades locais, o homem foi interpelado pelas autoridades ontem, por volta do meio-dia, quando estava em circulação para Luanda.

Os emigrantes garantiram ao motorista que pagariam, cada um, a quantia de 50 mil Kwanzas ao motorista caso o mesmo conseguisse transportá-los até à capital do país.

O detido, de 47 anos, responde pelo nome de Francisco Bumba, é comerciante e natural de Cabinda.

O porta-voz do Comando Provincial do Zaire da Policia Nacional (PN) inspector chefe Luís Bernardo, explicou ao Novo Jornal Online que o acusado saiu da fronteira do Luvo com destino a Luanda com os emigrantes congoleses escondidos no chassi e no interior do contentor do camião.

“O homem disse que é comerciante, afirmou que não é a primeira vez que vem ao Luvo, em busca de mercadoria, mas negou estar envolvido na prática de auxílio à imigração ilegal”, realçou.

Luís Bernardo disse ainda que quando os agentes do SME começaram a vistoria da viatura, encontraram 16 indivíduos escondidos no chassi e dentro do contentor.

“Encontrámos um grupo de emigrantes composto por sete rapazes e nove meninas. Todos eles estavam a ser transportado num sítio de risco, se houvesse algum qualquer acidente com a viatura não haveria sobreviventes, principalmente os que estavam escondidos no chassi”, disse.

O responsável garantiu que o homem já foi entregue ao Ministério Público (MP) para a legalização da prisão.

“O homem foi encaminhado na manhã de hoje ao MP para legalização da prisão, e posteriormente será conduzido ao tribunal para que possa responder pelo crime praticado”, concluiu. (Novo Jornal Online)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »