Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Execução de condenado abortada depois de duas horas e meia de tentativas

Estado do Alabama interrompeu execução por injeção letal de Doyle Hamm. “Desistiram quando não conseguiram encontrar uma veia”, explicou advogado

A execução por injeção letal de um condenado à morte, no estado americano do Alabama, foi abortada depois de duas horas e meia de tentativas para encontrar uma veia de Doyle Hamm onde pudesse ser aplicada a combinação letal, noticiou a Reuters, na noite de domingo (já madrugada de segunda-feira em Lisboa).

“Foi uma execução sangrenta e mal-sucedida. Eles desistiram quando não conseguiram encontrar uma veia”, explicou Bernard Harcourt, professor da Faculdade de Direito da Universidade de Columbia, que representa Hamm, por e-mail no domingo.

Doyle Hamm, 61 anos, ficou com 12 feridas por causa das punções sem sucesso, deixando para trás uma câmara de morte sangrenta, segundo a descrição do seu advogado.

Condenado por assassínio, Hamm passou mais de metade da sua vida no corredor da morte. As autoridades estatais explicaram que, por causa dos problemas com as veias de Hamm, não era possível aplicar o mandado de morte antes que expirasse à meia-noite.

Dias antes da execução, os advogados de Hamm explicaram que o condenado tinha cancro em fase termina e uma história de abuso de drogas intravenosas que tinha comprometido seriamente as suas veias. Os advogados disseram que o Alabama estava a acelerar um protocolo de execução especializado que aumentava as possibilidades de um procedimento defeituoso. O Estado respondeu que sabia o que estava a fazer e que saberia lidar com a injeção letal.

Não foi indicado se o Alabama anunciará uma nova data para a execução. Segundo a Reuters, os responsáveis do departamento prisional do Alabama não estiveram disponíveis para responder aos comentários do advogado de Hamm.

A injeção letal – que tem sido questionada nos 31 estados que aplicam a pena de morte, depois de outras execuções mal-sucedidas no Oklahoma e no Arizona – é um procedimento de execução que consiste em aplicar por via intravenosa, e de forma contínua, uma quantidade letal de barbitúricos de ação rápida, combinados com produtos químicos que paralisam os músculos. (Diário de Notícias)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Translate »