Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Últimas sanções dos EUA são um acto de guerra, diz a Coreia do norte

E realça que tem armas nucleares para responder às ameaças de Washington.

A Coreia do Norte diz que as últimas sanções impostas pelos Estados Unidos são um “acto de guerra”.

Num comunicado divulgado pela agência estatal de notícias, KCNA, a Coreia do Norte acusa os Estados Unidos de elevar a tensão na península coreana e diz que e realça que tem armas nucleares para responder às ameaças de Washington.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou, na sexta-feira, um conjunto de sanções contra a Coreia do Norte e ameaçou com a “fase dois” se as medidas não forem efectivas.

Trump disse que as sanções são as “maiores de sempre”.

As sanções visam um individuo, 27 empresas e 28 navios registados na China e em outros sete países com a intenção de eliminar o transporte e o comércio ilícitos da Coréia do Norte. As sanções bloqueiam os activos detidos pelas empresas nos EUA e proíbem os cidadãos americanos de interagir com as mesmas.

Desde agosto do ano passado, os EUA ajudaram a supervisionar três sanções do Conselho de Segurança das Nações Unidas contra a Coréia do Norte. A pressão não impediu Pyongyang de realizar mais testes nucleares e de mísseis.

A eficácia das novas sanções depende da possibilidade de serem implementadas com sucesso, e os EUA têm uma influência limitada sobre muitas das companhias de navegação que ajudam a Coréia do Norte a evadir as sanções, adverte Gary Samore, ex-coordenador da Casa Branca para Controlo de Armas e Armas de Destruição em Massa.

“Muitas das empresas que trabalham com a Coréia do Norte são muito pequenas”, disse Samore. Ele acrescentou que são empresas que não se importam em não trabalhar com os Estados Unidos.

A China respondeu com fúria, no sábado, às novas sanções, reafirmando que são contraproducentes para os esforços para interromper os programas de desenvolvimento de mísseis nucleares e de longo alcance de Pyongyang.

O Ministério das Relações Exteriores da China emitiu um comunicado dizendo que Pequim “opõe-se firmemente” aos EUA por “promulgar sanções unilaterais” e prometeu “tratar seriamente” a questão de acordo com a lei.

O ministério também exigiu que os EUA levantem imediatamente as sanções “para evitar prejudicar a cooperação bilateral na área relevante”. (Voa)

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »